Site seguro: como ganhar a confiança dos clientes no e-commerce

Mesmo com o constante crescimento do e-commerce como opção de compra de muitos brasileiros, ainda não é nada raro encontrar quem deixe de comprar online por puro medo de ver seus dados compartilhados com terceiros, eventualmente sendo usados de forma ilegal. Por essas e outras é que ter um site seguro se torna cada dia mais essencial para manter o fluxo de clientes.

E, na prática, ganhar a confiança dos consumidores online requer um olhar crítico sobre toda a operação da loja virtual, considerando desde o primeiro clique até o checkout. Mas não se preocupe, porque neste post você encontrará tanto dicas simples como sugestões mais avançadas para tornar seu site seguro e, assim, alavancar as vendas. Pronto?

Conexão SSL

O Secure Socket Layer (SSL) é um protocolo de segurança que permite a troca de informações entre servidores sem riscos. Funciona assim: quando o consumidor clica no link do seu site, um pedido de certificado de segurança é automaticamente enviado ao servidor para confirmar a veracidade das informações. Se estiver tudo certo, o endereço da barra de navegação iniciará com https em vez de simplesmente http. E é esse s a mais que indica a segurança da conexão. Além disso, alguns navegadores ainda exibem pequenos ícones identificando quais sites são seguros e quais não o são. Da mesma forma, alguns antivírus fazem esse trabalho de verificação.

Dupla autenticação

Uma forma bastante comum de fraude na internet se dá no momento de solicitação de troca de senha, quando um link é enviado para determinado e-mail e o fraudador acaba tendo acesso aos dados do cliente. Para evitar tal situação e manter seu site seguro, aposte na dupla autenticação. Assim, além de enviar o link para a redefinição de senha, peça outros dados do consumidor para confirmação, como a resposta para uma pergunta de segurança ou mesmo dados pessoais, como nome da mãe ou CPF, por exemplo.

E-commerce sem redirecionamentos

Muitos e-commerces utilizam ferramentas de pagamento que promovem a saída do próprio site a fim de ingressar na plataforma do parceiro, realizando por lá o pagamento. Além de causar uma desconfiança enorme no consumidor, que pode até abandonar a compra, esse processo também abre oportunidades para que hackers desenvolvam um site espelho na tentativa de roubar os dados dos consumidores. Uma forma de deixar seu site seguro é, portanto, evitar esse tipo de redirecionamento, primando por uma ferramenta de pagamentos que seja totalmente integrada a seu e-commerce.

Canais de contato

Um e-commerce que não divulga seu endereço, não tem canais de atendimento e não oferece suporte ao cliente é, no mínimo, suspeito. Afinal, quem não tem nada a esconder e quer atrair cada vez mais consumidores mostra quem é e dá a oportunidade para que as pessoas se comuniquem. Com isso em mente, deixe os canais de contato (como telefone, e-mail e redes sociais, por exemplo) do seu e-commerce sempre à vista, ainda disponibilizando pessoas para realizarem o atendimento com agilidade. Isso porque de nada adianta ter um 0800 se ninguém atende o consumidor!

[Leia também: 5 dicas de atendimento que todos deveriam usar]

Política de privacidade

Outra questão importantíssima para manter seu site seguro e não só atrair como fidelizar clientes é disponibilizar sua política de privacidade. Trata-se de uma declaração sobre o tipo de uso que o e-commerce faz dos dados ali inseridos. O ideal é que qualquer loja virtual só use os dados dos consumidores para comprovar as compras e nada mais. Afinal de contas, seu negócio é vender online e não vender dados, correto?

Agora nos conte se já se preocupa com isso, usando estratégias e ferramentas para manter seu site seguro! Quer ficar por dentro de outras questões que podem contribuir para o aumento das suas vendas? Então assine nossa newsletter e receba conteúdos inéditos diretamente no seu e-mail!

como vender mais

 

Guia: Como proteger os dados dos seus clientes

Os meios eletrônicos de pagamento vêm substituindo o tradicional dinheiro em espécie e o cheque já há algum tempo no Brasil. E para se sair bem em um mercado altamente competitivo, o lojista precisa oferecer aos seus clientes a comodidade de pagar as contas com cartões de crédito e débito.

No entanto, não basta apenas colocar à disposição do consumidor novas e modernas formas de pagamento. Também é preciso ficar atento para que os dados deles estejam a salvo.

Em primeiro lugar, saiba que administradoras de cartões e bancos investem tempo e dinheiro para disponibilizar ferramentas e recursos que diminuem os riscos de fraudes com dados. Assim, procure sempre a ajuda deles para dispor dessas tecnologias. Também avalie a real necessidade de manter os dados dos seus clientes armazenados, de acordo com o tipo de seu negócio.

Frequentemente, as empresas não percebem que guardam dados desnecessários – e sujeitos a serem roubados – até a realização de uma auditoria. Criminosos não costumam atacar empresas que adotam boas práticas de segurança, tampouco aquelas que não possuem informações úteis para os golpes.

O lojista também deve ficar atento aos itens básicos para manter os dados protegidos. Entre eles, está o uso constante dos recursos de firewall e dos programas antivírus, que, por sua vez, devem ser regularmente atualizados.

A adoção de senhas seguras (difíceis de serem descobertas e trocadas com frequência) também pode aumentar a sua proteção. Por fim, evite abrir links ou e-mails suspeitos que possa receber, bem como aqueles vindos de remetentes desconhecidos.

Fonte: Finanças Práticas

proteçao de dados dos clientes