Entenda a importância de oferecer uma experiência verdadeira de omnichannel

Ser omnichannel já não é mais um diferencial para oferecer uma boa experiência de compra aos seus clientes, mas sim uma condição para isso. Essa estratégia, que ainda é uma novidade para alguns, faz toda a diferença para a satisfação do consumidor em um tempo em que as barreiras entre online e offline estão cada vez menores.

Mas, afinal, o que é omnichannel?

Omni vem do latim e significa todo ou tudo. Já a palavra channel tem origem no inglês e quer dizer canal. Desse modo, omnichannel representa, em uma tradução literal, todos os canais. Na prática, esse conceito é utilizado para falar da integração entre todos os canais de vendas e de atendimento de uma empresa, sejam eles online ou offline.

Isso quer dizer que não basta apenas oferecer vários meios para que o consumidor compre ou seja atendido pela sua loja. É necessário que ela ofereça as mesmas políticas de atendimento, troca, preço, entre outras, em todos esses canais, a fim de que o cliente saiba que terá o mesmo suporte em qualquer um deles.

É por essa característica que o omnichannel se diferencia de outros conceitos usados para tratar da interação entre canais, como o multichannel e o cross channel. No multichannel, não existe qualquer convergência entre eles, o que ocorre é apenas a existência de vários canais na empresa, como loja física, e-commerce e aplicativo. Já no cross channel essa integração até existe, mas de forma ainda muito limitada. É o que acontece quando um cliente compra online e retira o produto na loja física, por exemplo. Se a sua empresa já possui esse tipo de prática, é um bom sinal. Porém, é preciso que os canais estejam ainda mais integrados para que essa seja uma experiência omnichannel.

A experiência omnichannel no Brasil

Uma pesquisa promovida pela Manhattan Associates mostra que 77% dos consumidores já querem uma experiência omnichannel unificada, ou seja, sem qualquer desconexão entre os canais. Mas será que isso já tem, de fato, acontecido no Brasil?

Outro estudo, desta vez publicado pela ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico), sugere que a implementação da omnicanalidade no varejo brasileiro ainda ocorre a passos lentos. Na pesquisa, uma equipe de entrevistadores se fez passar por clientes visitando lojas físicas para entender como elas tratam a integração entre os canais.

Em uma das situações, na falta de produtos na loja física, a intenção era entender se os vendedores checariam a disponibilidade da mesma mercadoria na internet para não perder a venda. Na ocasião, apenas 56% dos atendentes fizeram isso.

Já em outro caso, os clientes comparavam os preços da internet na frente dos vendedores, situação na qual 14% deles agiram de forma agressiva, dizendo, entre outras coisas, que não indicavam a compra online por causa dos riscos e que os preços são mais baratos na internet porque as lojas online não custeiam itens como aluguel e funcionários. Na comparação de preços, aliás, 75% dos vendedores não aceitaram negociar para cobrir a oferta do e-commerce.

Isso demonstra que o varejo brasileiro ainda está atrasado na implementação de uma experiência omnichannel, principalmente no que diz respeito à mudança cultural nas empresas, o que é essencial para que essa estratégia realmente tenha sucesso, mas também em relação às tecnologias para que a convergência entre todos os canais seja possível.

Conforme o estudo “Ecossistema omnichannel: a visão de consumidores e empresas no Brasil”, realizado pela GS1 Brasil, o varejo brasileiro está no estágio 3 de implantação do omnichannel, em um processo que abrange 10 fases, sendo que a décima compreende uma visão holística do cliente em relação ao negócio. No estágio 3, de acordo com o estudo, “as iniciativas são espontâneas e segmentadas, buscando se assemelhar aos concorrentes, mas não estão incluídas no planejamento estratégico”.

A importância de ser omnichannel

Um estudo da Zendesk traz alguns insights importantes sobre a omnicanalidade:

  • 67% dos compradores online fizeram compras que envolveram vários canais no último semestre;
  • 73% deles acham que as marcas prestam mais atenção à geração de vendas em vários canais do que em fornecer uma experiência integrada de atendimento;
  • 37% esperam entrar em contato com o mesmo atendente independentemente do canal usado;
  • 47% desejam devolver mercadorias em um canal diferente do de compra;
  • 7% estão extremamente satisfeitos com a uniformidade, integração e consistência oferecidas pelas marcas.

Todos os dados mostram o quanto a integração entre os canais é importante para os consumidores. E o último insight, aliás, é estratégico para a sua marca: se apenas 7% dos clientes estão satisfeitos com a omnicanalidade oferecida pelas empresas, a organização que sair na frente nesse sentido tende a ganhar muitos pontos com os clientes. Nesse caso, melhor que seja a sua.

Ao implementar a estratégia omnichannel, você oferece uma experiência melhor ao seu cliente, o que é essencial para vender mais, mas não só para isso. A fidelização, por exemplo, ganha muito com essa integração entre os canais, uma vez que os consumidores se sentem mais satisfeitos e à vontade para voltar a comprar com a sua marca.

As chances de vender mais, aliás, também aumentam com a prateleira infinita. Este método, que também é conhecido como endless aisles, é utilizado para integrar os estoques da loja virtual e da loja física de uma mesma marca. Dessa forma, mesmo não tendo um produto disponível na loja física você pode oferecê-lo ao cliente por meio do app, do e-commerce ou de outro canal.

Mais um benefício da omnicanalidade para as empresas é a redução de custos. É claro que, em um primeiro momento, adaptar-se a essa nova realidade vai gerar alguns gastos, principalmente no que se refere às tecnologias implementadas. Depois, porém, as despesas tendem a ficar menores em vários aspectos.

O marketing é um exemplo disso. Quando você tem uma estratégia de comunicação omnichannel, as ações desenvolvidas devem valer para todos os canais, o que reduz custos com atividades específicas para cada um deles. Outra forma de reduzir custos é com uma solução de pagamentos omnichannel, como a Wirecard, que oferece, em uma mesma plataforma, meios de pagamento online e offline. Enfim, não faltam motivos para implementar uma estratégia omnichannel. E como vimos, investir nessa prática agora é uma ótima forma de conquistar um cliente que espera exatamente por isso e que ainda está insatisfeito com o cenário atual. Por isso, não perca tempo!

Como aproveitar o Dia do Frete Grátis para vender muito mais no e-commerce

Um dia inteiro com diversos e-commerces oferecendo seus produtos sem cobrar nada pela entrega. Esse é o Dia do Frete Grátis, originado nos EUA em 2008 e conhecido lá como “Free Shipping Day” Assim como a Black Friday, o mercado digital brasileiro importou essa data comemorativa, nesse ano marcada para o dia 26 de abril. (mais…)

Como montar uma loja virtual com pouco dinheiro?

Essa pergunta é feita por muita gente que deseja começar no ramo do e-commerce: como montar uma loja virtual com pouco dinheiro? (mais…)

Otimização em lojas virtuais: SEO

Conquistar um grande número de acessos em uma loja virtual é essencial para aumentar as vendas. Disso você já sabe, certo? Mas será que sabe também que uma das melhores práticas para alavancar o volume de acessos de um e-commerce é investir no SEO? Assim seu conteúdo fica melhor posicionado nas ferramentas de busca, gerando mais visitas e, consequentemente, aumentando as vendas. Lembrando que SEO nada mais é que um processo que se propõe a conseguir as melhores colocações possíveis na busca orgânica das páginas de resposta dos grande buscadores (como o Google e o Bing). Quer saber como conseguir resultados com essa estratégia? Pois então continue acompanhando nosso artigo de hoje! Confira:

A importância do SEO no e-commerce

A tarefa de realizar SEO em uma loja virtual não é das mais fáceis, mas certamente é uma das mais importantes para a divulgação de um e-commerce. Isso porque, por mais que sua loja possua um bom layout, produtos de qualidade e preços atrativos, nada disso fará efeito se você não alcançar o máximo de consumidores possível. Como está comprovado que o melhor tráfego para um site vem dos acessos vindos da busca orgânica, para garantir que o volume de visitas à sua página seja constante e não dependa dos anúncios e do tráfego pago, o melhor a fazer é investir no SEO do e-commerce.

As melhores práticas de SEO

Para garantir que seu e-commerce fique bem posicionado nas buscas, separamos algumas dicas de SEO que poderão ajudá-lo a conquistar seu lugarzinho ao sol e aumentar suas vendas. Veja só:

Escolha uma boa plataforma

O primeiro passo para garantir que seu e-commerce alcançará o melhor posicionamento nas buscas orgânicas é escolhendo uma plataforma preparada para SEO, ou seja, que permita a customização de URLs, de títulos e descrições dos produtos, além de tantas outras ações. Para ter sucesso no emprego do SEO é preciso garantir que sua loja possui uma estrutura de programação adequada, permitindo o cadastro de seus produtos de forma profissional e sistematizada.

Muitas plataformas de e-commerce não contam com a estrutura necessária para um processo de otimização eficiente, o que impacta negativamente nas vendas. Esse problema é tão grave que algumas lojas virtuais sequer são encontradas pelo Google por conterem problemas sérios de programação. Então pesquise bem antes de escolher sua plataforma, pois uma ferramenta limitada pode atrapalhar as vendas de seu e-commerce.

Pense em URLs amigáveis

Seja para facilitar a navegação do usuário ou mesmo dos robôs de busca, criar uma URL amigável é uma excelente maneira de otimizar o SEO do e-commerce, podendo ser usada, por exemplo, para dar destaque a uma palavra-chave importante. Para quem não sabe, a URL é o endereço de uma página na internet, aquele que fica em destaque no navegador no momento em que o usuário navega pelo site. E uma URL amigável nada mais é que um endereço fácil de entender, cuja leitura deixe claro do que a página em questão se trata.

Redobre os cuidados com os títulos

Como o título de uma página é um de seus principais atributos, atente-se para suas páginas de produto. Assim como a URL, o título dessas páginas deve facilitar o trabalho do usuário, deixando claro o assunto sobre o qual a página trata. Isso sem contar que os mecanismos de busca também valorizam as informações inseridas nesses títulos, sendo, portanto, extremamente importante que neles estejam presentes os nomes do produtos ou até mesmo algumas palavras-chave para seu e-commerce. É importante garantir que o título de sua página não ultrapasse os 70 caracteres, além de usar a tag <h1>, pois essas ações podem ajudá-lo a ter uma posição ainda melhor nas ferramentas de busca.

Dê a devida atenção à descrição dos produtos

A descrição de um produto é muito importante não só para garantir que o consumidor entenda o que está sendo oferecido como porque as ferramentas de busca valorizam essas informações. Mas atenção: muitas lojas virtuais pecam por apenas copiar as informações contidas no site do fabricante! Esse procedimento, na maioria das vezes, leva a uma péssima indexação por não estarem presentes critérios de SEO que possibilitem atingir uma posição de destaque nas páginas de respostas dos buscadores. Sendo assim, sempre crie conteúdo exclusivo e relevante para seu usuário inclusive na descrição de cada um dos produtos da loja.

E não se esqueça de fazer bom uso das palavras-chave! Com isso você garante o bom posicionamento das páginas de seus produtos nas buscas, evitando ser penalizado por conter conteúdo duplicado, idêntico ao de outras páginas pela internet.

Faça bom uso das categorias

Muitos pensam que as categorias de um e-commerce servem apenas organizar uma loja virtual e ajudar na segmentação de produtos, mas elas também ajudam no SEO da loja virtual, principalmente quando há o uso de palavras-chave importante na nomeação dessas categorias. Lembre-se, afinal, de que as categorias aparecerão não só na URL da página, mas também em vários outros locais, influenciando bastante na forma em que os motores de busca enxergam sua página.

Crie um blog

Um blog pode ser uma excelente ferramenta para ajudar no SEO do e-commerce, pois com ele você pode criar conteúdo relevante para seus usuários, ajudando a tirar dúvidas e até mesmo influenciando suas compras. Esse blog pode estar associado à sua marca de forma que, sempre que citar algum produto específico, possa direcionar o usuário para um produto, aproveitando o tráfego gerado pelo conteúdo para levar à sua loja virtual, aumentando as vendas.

Acompanhe de perto os resultados

Vale também ressaltar que a estratégia de SEO do e-commerce precisa de manutenção e monitoramento constantes, a fim de garantir a conquista dos resultados esperados. Como a busca por boa indexação é feroz, se ninguém ficar de olho, sua loja pode facilmente cair. Por isso, é necessário que seu trabalho de SEO seja continuamente aprimorado, de preferência por quem faz a administração da loja virtual.

Certamente, otimizar seu e-commerce para garantir que ele fique bem posicionado nas buscas não é tarefa fácil, mas seguindo todas essas dicas você estará no caminho certo para garantir o sucesso nas vendas!

Agora que você já sabe da importância do SEO para o e-commerce e conhece as melhores práticas que podem ser aplicadas em sua loja virtual, é hora de conhecer também quais são os 4 erros do SEO do e-commerce que prejudicam sua loja virtual!

Ofertas relâmpago: devo investir nessa estratégia?

A concorrência está grande, você precisa de um diferencial para chamar a atenção dos consumidores e está avaliando a possibilidade de investir em ofertas relâmpago? Mas será que vale a pena? As pessoas compram essa ideia? É o que nós vamos descobrir neste post, portanto, fique atento e dedique mais alguns minutos a essa leitura!

Você já ouviu falar em compra por impulso?

As mulheres são famosas por comprarem por impulso, ou seja, o produto nem é tão necessário assim, mas está barato, então vale a pena. Mas acontece que não são só as mulheres que fazem isso, os homens também.

Enquanto elas ficam encantadas com sapatos, roupas, bolsas e joias, eles se interessam por eletrônicos, jogos, gadgets e produtos tecnológicos. E o que isso significa? Que para fazer sua oferta relâmpago dar certo para ambos, basta colocar os produtos certos em promoção.

Os clientes sumiram?

Parece que o movimento da sua loja virtual caiu? Que tal fazer uma promoção relâmpago e divulgá-la por e-mail marketing, nas redes sociais ou por SMS? Quando você define um prazo para que a oferta acabe, desperta um senso de urgência nas pessoas, fazendo com que elas corram para comprar antes que acabe. Se as ofertas forem realmente boas, os clientes vão aparecer rapidinho.

O mês está fechando e a meta de vendas ainda está longe?

Meta de vendas é compromisso em qualquer comércio, afinal, todo o financeiro é baseado nela. Se você percebeu que o fim do mês se aproxima e ainda está longe de atingir a meta de vendas, faça uma promoção relâmpago. Além de fazer com que seus clientes comprem, você também poderá despertar o interesse de novos clientes, aumentando o número de vendas.

Produto parado em estoque?

Tem alguns produtos que vendem muito em determinadas épocas e depois ficam encalhados no estoque, ocupando espaço e comprometendo o capital de giro. Para liquidar de uma vez por todas esses produtos, ofertas relâmpago! Dê um bom desconto, ofereça a segunda unidade por um preço ainda menor, faça kits, divulgue e aumente seu lucro!

Movimento fraco nas redes sociais?

As redes sociais estão abarrotadas de informação, o que dificulta na hora de atrair a atenção do seu público com publicidade. Mas ninguém resiste às ofertas relâmpago. E melhor: depois de garantir seus produtos, os usuários compartilham com suas redes, ampliando o alcance das suas ofertas e atraindo ainda mais clientes.

Cliente na expectativa é conversão na certa!

Depois de aproveitar uma boa oferta relâmpago, seus clientes ficarão ainda mais ligados no seu site, nas suas redes sociais e no que você tem a oferecer. Essa expectativa pode ser alimentada com novas ofertas relâmpago, contemplando outros produtos ou datas especiais.

Só não esqueça que as ofertas relâmpago são um diferencial, uma estratégia a ser utilizada em momentos específicos. Se você tornar isso um hábito, as pessoas deixarão de comprar os produtos com o preço normal para esperarem que você baixe os preços.

Ofertas relâmpago são ou não úteis? O que você acha? Deixe seu comentário!

7 dicas infalíveis para preparar as vendas do seu e-commerce na Black Friday

A Black Friday já pode ser considerada uma data tradicional do comércio brasileiro. Muitos clientes aguardam ansiosamente pelo dia para comprar produtos com melhores preços, condições de pagamentos e entrega. O sucesso das vendas na Black Friday podem trazer inúmeros benefícios para o lojista, tanto no dia da Black Friday quanto no restante do ano, pois o seu negócio acaba atingindo mais pessoas que sempre lembrarão de terem comprado com você.

Em um ano marcado pela tensão política, aumento do desemprego e dólar cada dia mais caro, clientes estarão ainda mais atentos e seletivos em suas compras. Então, para transformar as suas vendas na Black Friday em excelentes oportunidades de negócios, é simples: planeje e execute cada detalhe.

Aqui, preparei sete dicas infalíveis para o seu e-commerce ter sucesso nessa data:

vendas na black friday

#1 Comunicação visual

Uma das coisas que faz toda a diferença é uma comunicação 100% focada para as vendas na Black Friday. Customize o site com o tema, acrescente banners que levem para uma categoria específica da promoção, selos nos produtos que realmente estão com desconto real e ambiente as redes sociais utilizando a temática. Chamadas como “ainda dá tempo”, “última chance” e “só hoje” podem ajudar a encurtar a tomada de decisão do seu cliente.

#2 Marketing inteligente

É possível trabalhar com alguns produtos “iscas”, ou seja, produtos com descontos maiores e mais apelo. Explore todos seus canais de comunicação começando por preparar posts durante o dia para divulgar as promoções. A grande sacada é trabalhar bem sua base de clientes. O primeiro pode ser enviado às 00h01 e durante o dia segmentar a base e realizar outros disparos promocionais.

Nesse dia, muitas lojas e grandes players vão comprar palavras chaves relacionadas às vendas na Black Friday, sendo assim, é importante estar com a campanha otimizada e ter alguém monitorando durante todo o dia para garantir a melhor performance. Além disso, se for fazer alguma ação em redes sociais que usam hashtags, aproveite e marque junto #blackfriday #blackfridaybrasil.

vendas na black friday

3# Estabilidade da loja

Confira se a plataforma está pronta ou vai oferecer algum plano de contingência para o dia da Black Friday. Caso vá fazer alguma ação pontual de grande volume de acesso, consulte sua plataforma ou equipe técnica para que seja tudo planejado e evite lentidões e quedas de servidores. Garantindo uma boa estabilidade de loja, as suas vendas na Black Friday são muito mais potencializadas.

#4 Navegação amigável

Destaque as promoções e facilite o cliente a encontrar os produtos que procura. A boa navegação do cliente na sua loja vai fazer com que ele encontre e feche o pedido mais rápido, aumentando suas vendas na Black Friday e evitando a dispersão na hora da compra. Lembre que nesse dia os consumidores serão impactados por milhares de publicidades, então ser rápido no fechamento do pedido é fundamental para não perder a venda.

#5 Estoque (Para vender é preciso ter produto)

Não esqueça de conferir o seu estoque; evite perder grandes oportunidades de vendas na Black Friday porque acabaram seus produtos, principalmente seus produtos âncoras. Não deixe o cliente para a concorrência, basta uma compra bem-sucedida em outra loja e seu cliente passará a fazer parte do banco de dados para futuras campanhas do seu concorrente.

meios de pagamento online mais usados

#6 Preços e transparência

Não corra o risco de queimar sua marca subindo o preço de um produto e colocando descontos para vender pelo mesmo valor. Seja transparente e, mesmo que só faça promoção em alguns produtos para girar seu estoque, faça promoções reais. Se a margem é baixa, use a Black Friday para girar seu estoque e queimar produtos encalhados por condições imperdíveis e aumente seu banco de clientes para futuras campanhas. Fazendo isso, você diferencia o seu e-commerce dos demais, que em relação às vendas na Black Friday, não são transparentes com seus clientes.

#7 Cuidado com a entrega

O volume nas vendas é algo generalizado, sendo assim, veja com o fornecedor como ele irá operar e coloque um aviso para os clientes com os prazos de entrega. Esteja pronto para dar suporte caso as pessoas procurem informações sobre as entregas. Trabalhe para postar o quanto antes seus pedidos, surpreender os clientes e fazer um marketing positivo, que aumente significativamente as suas possibilidades de vendas na Black Friday.

Sobre o autor:

Alfredo Soares é sócio e fundador da Xtech Commerce, plataforma de e-commerce inteligente com mais de três mil lojas criadas e hospedadas, que permite ao lojista trabalhar de forma multicanal, além de possuir estratégias que cuidam de forma 360º da inteligência de sua loja virtual.

Guia: Como proteger os dados dos seus clientes

Os meios eletrônicos de pagamento vêm substituindo o tradicional dinheiro em espécie e o cheque já há algum tempo no Brasil. E para se sair bem em um mercado altamente competitivo, o lojista precisa oferecer aos seus clientes a comodidade de pagar as contas com cartões de crédito e débito.

No entanto, não basta apenas colocar à disposição do consumidor novas e modernas formas de pagamento. Também é preciso ficar atento para que os dados deles estejam a salvo.

Em primeiro lugar, saiba que administradoras de cartões e bancos investem tempo e dinheiro para disponibilizar ferramentas e recursos que diminuem os riscos de fraudes com dados. Assim, procure sempre a ajuda deles para dispor dessas tecnologias. Também avalie a real necessidade de manter os dados dos seus clientes armazenados, de acordo com o tipo de seu negócio.

Frequentemente, as empresas não percebem que guardam dados desnecessários – e sujeitos a serem roubados – até a realização de uma auditoria. Criminosos não costumam atacar empresas que adotam boas práticas de segurança, tampouco aquelas que não possuem informações úteis para os golpes.

O lojista também deve ficar atento aos itens básicos para manter os dados protegidos. Entre eles, está o uso constante dos recursos de firewall e dos programas antivírus, que, por sua vez, devem ser regularmente atualizados.

A adoção de senhas seguras (difíceis de serem descobertas e trocadas com frequência) também pode aumentar a sua proteção. Por fim, evite abrir links ou e-mails suspeitos que possa receber, bem como aqueles vindos de remetentes desconhecidos.

Fonte: Finanças Práticas

proteçao de dados dos clientes

5 erros mais comuns cometidos em um e-commerce

Quando surpreendidos pelas incontáveis oportunidades que um e-commerce pode oferecer, muitos futuros empresários do ramo de negócios virtuais acabam não planejando devidamente o empreendimento e derrapam logo no começo das operações. (mais…)