Logística na Black Friday: Entenda a influência e como usá-la a seu favor

Em 2019, a Black Friday se consolidou como a principal data sazonal para o e-commerce brasileiro, faturando R$ 3,21 bilhões, superando o Natal, que somou R$ 2,60 bilhões. Esse é um bom resultado, porém, traz inúmeros desafios para os lojistas, como lidar com a questão das entregas. Por isso que falar sobre a logística na Black Friday e como usá-la a favor do negócio se torna um assunto obrigatório nessa época do ano. 

Especialmente porque, segundo uma pesquisa realizada pela empresa de transportes e entregas global UPS, uma das principais razões para o consumidor abandonar o carrinho de compras é o tempo de entrega muito longo e o frete muito caro. Então, nada mais estratégico do que reverter essa situação e usar a logística como um diferencial para conquistar e fidelizar os clientes, certo?

E só para esclarecer, o processo logístico não se resume à expedição e entrega do pedido. Ele tem início bem antes. Falando especificamente da logística na Black Friday, podemos dizer que começa lá no planejamento das ações para a data promocional, quando você decide em qual mix de produtos seu e-commerce vai apostar como linha principal, se será necessário repor o estoque ou não e daí por diante.

O processo final, aquele em que a mercadoria é embalada, colocada no caminhão e entregue ao cliente, é só o encerramento do ciclo. É claro que se trata de uma etapa extremamente importante, pois é a que causa a real satisfação ao consumidor. No entanto, ela só vai ocorrer do modo certo se tudo o que vem antes for organizado com eficiência.

Com base nisso, listamos algumas dicas para você aproveitar a logística como uma oportunidade de melhorar os resultados do seu negócio na Black Friday. Siga com a gente e avalie o que faz mais sentido para o seu e-commerce!

Como usar a logística na Black Friday a favor do seu negócio

Diante de tudo o que falamos até aqui, você já percebeu que não pode deixar os processos logísticos de lado durante o planejamento das ações e a organização do seu negócio para a Black Friday, certo? Por isso, elencamos diversas recomendações que têm a logística sempre presente, às vezes como protagonista — às vezes como coadjuvante — para você entender na prática como ela pode influenciar os resultados do seu negócio. Confira!

1 – Faça o planejamento das suas vendas

Para aumentar o lucro do seu e-commerce, você vai precisar se planejar, não há outro caminho. Por isso, não deixe para resolver tudo nas vésperas do dia 27 de novembro. Comece o quanto antes! Nesse período de organização, foque suas energias em estruturar a equipe e o estoque, rever as condições dos canais de venda e investir em campanhas de divulgação sobre o que o seu negócio está preparando para a Black Friday.

Para facilitar alguns processos, você pode usar o histórico de vendas para analisar quais são os produtos mais procurados e os mais vendidos para explorar durante o período promocional, pois eles têm maior potencial para a lucratividade. Aqui também é o momento de fazer os cálculos para definir quais mercadorias terão descontos, de quanto serão e como vão ser aplicados.

Não esqueça de planejar as compras e negociar preços e condições com os fornecedores, afinal, não adianta nada ter uma super estratégia de vendas, com campanhas de marketing rodando em vários lugares, se na hora de fechar negócio o produto não estiver disponível, não é mesmo? E, claro, organize a logística para que não haja falhas na expedição e entrega. Nada pior para o consumidor do que esperar por sua mercadoria em um determinado dia e ela não chegar.

Com um planejamento bem feito, os outros passos ficam um pouco mais fáceis. Porém, isso não significa que eles devem ser realizados de qualquer jeito. Pelo contrário: quanto mais dedicação, melhores serão os resultados.

2 – Controle o seu estoque

Uma etapa fundamental na organização da logística na Black Friday é fazer o controle de estoque. Como se espera uma velocidade alta de vendas, é necessário ter em mãos um inventário completo antes da data para analisar as quantidades exatas que a empresa possui de cada item. Com isso e as informações levantadas no planejamento, o setor de compras saberá o que é preciso repor e o prazo que tem para fazer os pedidos. 

Toda essa análise de dados e a organização minuciosa são essenciais para ter sucesso na Black Friday, já que as informações estudadas contribuem para reduzir os riscos de faltar ou sobrar produtos no estoque.

3 – Tenha frete e prazos bem estabelecidos

Nunca deixe para pensar no valor do frete e nos prazos de entrega na última hora. Lembre-se que assim como o seu e-commerce está se preparando para a Black Friday, as outras lojas virtuais e as próprias empresas transportadoras também estão. Tirando os Correios, que tem uma tabela padrão, com todos os outros serviços de entrega você pode negociar as melhores condições para oferecer aos seus clientes.

Batemos nessa tecla porque é muito comum que os consumidores se sintam enganados por falsas promoções neste período. Então, apresentar um frete dentro da realidade e um prazo razoável junto com uma boa oportunidade de compra pode ser o incentivo final para o fechamento de uma venda.

Por esse motivo, deixe tudo planejado e acordado com as empresas transportadoras para que o seu negócio não tenha prejuízo quando o assunto for o transporte de mercadorias. Uma última dica aqui é sempre estipular um prazo com folga, assim, evita-se o risco de atrasos e reclamações. E se o produto chegar antes na casa do cliente, você ainda sai ganhando, pois conquista sua confiança e satisfação.

4 – Prepare sua loja para a alta demanda

Essa preparação começa lá na infraestrutura do e-commerce, que precisa suportar o aumento de acessos e sustentar esse volume, se necessário, ao longo de todo o período promocional, e vai até a logística, que tem que estar preparada para atender pedidos nos mais variados cantos do país, inclusive locais onde nunca tenha chegado antes.

Faça um treinamento específico com toda sua equipe, do suporte ao atendimento, da pré-venda ao pós-venda, afinal, estamos falando da principal data do comércio, o que já exige um tratamento especial. E como nosso foco é a logística na Black Friday, garanta que os responsáveis por estoque, expedição e transporte estejam preparados para essa maratona de vendas e assegure que eles tenham as melhores ferramentas para trabalhar.

5 – Deixe a área de transportes organizada

Quando falamos em assegurar as melhores ferramentas para a área de transportes, estamos falando especificamente da frota. Se o seu e-commerce possui logística própria, esse é o momento de verificar as condições e realizar a manutenção dos veículos que farão seus produtos chegarem até seus clientes. Essa é a maneira de garantir que os pedidos serão atendidos dentro dos prazos.

Caso a logística na Black Friday seja terceirizada, como já falamos, você precisa se apressar para negociar com as empresas transportadoras. Porém, não deixe a pressa lhe empurrar qualquer parceria. Escolha aquelas que fazem entregas com segurança e não têm medo de investir em tecnologia, como rastreamento e monitoramento de cargas. Os consumidores gostam de saber onde suas mercadorias estão e oferecer esse serviço pode ser um diferencial.

Conte com a Wirecard para ter sucesso na Black Friday

Reconhecer a importância da logística na Black Friday como ferramenta para a conquista e fidelização de clientes, bem como para a melhora dos resultados, é o primeiro passo para transformá-la em um processo organizado e produtivo. Seguindo as nossas dicas, com certeza você chegará ao dia 27 de novembro preparado para enfrentar os desafios desta data tão importante para o calendário comercial brasileiro.

No entanto, não esqueça das outras áreas do seu comércio eletrônico, como as soluções de pagamento. E para isso, conte sempre com a Wirecard! Nós temos as melhores soluções para ajudar você a preparar o seu e-commerce para a Black Friday 2020. Contamos com um sofisticado sistema de gestão de risco e antifraude com análises automática e manual, além de uma ferramenta de checkout transparente que pode aumentar as conversões da sua loja online em até 30%.

Para conhecer melhor o nosso sistema, basta acessar este link. Esperamos que o artigo ajude você a preparar o seu e-commerce para a Black Friday 2020 e, qualquer dúvida, já sabe: entre em contato com a gente! Nossa equipe está pronta para atendê-lo e responder todos os seus questionamentos.

Veja como ampliar a receita do seu e-commerce usando o pagamento recorrente

O pagamento recorrente não é algo tão novo assim, mas ganhou muita força nos últimos anos, especialmente com a expansão do comércio eletrônico. Na verdade, esse modelo de cobrança, também chamado de assinatura, é um dos que mais cresce ao redor do mundo e o que consegue oferecer vantagens extras para qualquer tipo de negócio.

Um estudo feito pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) em 2019 aponta que o mercado de clubes de assinatura está em plena expansão e que a tendência é disparar no Brasil. Os números da pesquisa mostram que nos últimos quatro anos os negócios desse segmento aumentaram em 167% sua participação na economia nacional.

A principal característica do modelo, conhecido ainda como venda recorrente ou compra recorrente, é a praticidade na oferta de produtos e serviços. Isso ocorre porque o pagamento por um produto ou serviço acontece de forma contínua, por meio de assinaturas, planos, contratos ou mensalidades. Geralmente a cobrança é mensal e a adesão costuma ser simples, assim como o cancelamento.

É possível implementar o pagamento recorrente nos mais variados tipos de negócios para ampliar a renda e garantir a sustentabilidade da empresa. Para os empreendimentos que usam a internet para as vendas, essa pode ser uma ótima oportunidade de diversificar e criar novas fontes para ganhar mais dinheiro.

Siga com a gente para entender o que é o pagamento recorrente e como você pode usá-lo no seu e-commerce para aumentar a sua receita!

O que é pagamento recorrente

O pagamento recorrente é aquele feito por um período predeterminado. Isso significa que o vendedor estipula um intervalo entre as cobranças, que pode ser mensal, bimestral, semestral, enfim, o melhor prazo conforme o tipo de serviço ou produto oferecido, e o comprador, ao concordar com a recorrência na primeira compra, sabe que fará um pagamento com aquela periodicidade.

Como estamos falando de comércio eletrônico, geralmente essa compra é feita por cartão de crédito ou por débito automático em conta, o que acaba facilitando todo o processo para as duas partes envolvidas. E ambas saem ganhando!

O vendedor consegue ter uma nova maneira de gerenciamento de suas transações, mais automatizada, e não precisa se preocupar em cobrar os clientes todos os meses. Também é um método que ajuda a reduzir a inadimplência, especialmente nas cobranças no cartão de crédito. Além, claro, de se tornar uma receita fixa, garantindo a sustentabilidade do negócio.

Para o cliente, é uma importante forma de não onerar o limite do cartão de crédito, pois não se trata de uma compra parcelada, em que o valor total é reservado no momento da compra. O pagamento recorrente só vai aparecer no cartão na data estipulada no contrato. O comprador ainda garante que terá seu serviço ou produto sempre em mãos, pois estará com a assinatura paga em dia.

Benefícios do pagamento recorrente para o e-commerce

Já citamos algumas facilidades que o modelo de assinatura pode trazer, mas elas não se limitam a diminuir os devedores e assegurar um caixa fixo para o comércio eletrônico. Os benefícios envolvem desde a otimização da gestão financeira até o aumento nas vendas.

Começando pela finanças, o pagamento recorrente torna o controle dos recebimentos muito mais simples, pois há uma data fixa para eles entrarem no caixa do e-commerce. O único trabalho é fazer a conciliação para conferência dos resultados. A atividade de cobrança praticamente acaba, liberando tempo e pessoal para tarefas mais estratégicas.

Como há uma data fixa para os pagamentos, também fica fácil saber quanto dinheiro a empresa terá em cada dia, o que ajuda no planejamento de ações e na realização de campanhas e promoções. Ainda existe o fato de o cliente ter se tornado um freguês, digamos assim, pois você não precisa mais fazer um esforço de marketing e vendas mensal para que ele volte a comprar na sua loja, o que gera economia.

Sobre o cliente, podemos destacar também que se o e-commerce continuar entregando o produto ou serviço com qualidade e dentro do prazos acordados, a fidelização está garantida. Isso leva a dois caminhos: aumento da carteira de negócios com os atuais fregueses e atração de novos clientes — o que proporciona aumento das vendas e, consequentemente, da receita.

Mas a pergunta que fica é: qualquer tipo de e-commerce pode trabalhar com pagamento recorrente? A resposta é sim! Dentro de um nicho de mercado, se você conhecer bem o seu público-alvo e conseguir fazer um planejamento estratégico sólido, qualquer produto ou serviço pode ser vendido. Afinal, a Netflix não começou como um serviço de streaming mundial, certo?

Como aumentar a receita com o pagamento recorrente

Bom, temos dois momentos aqui. Um é aproveitar que o e-commerce já usa o pagamento recorrente e seguir aqueles caminhos que citamos no tópico anterior. O outro é implementar o modelo de assinatura no seu negócio se você ainda não o utiliza ― para isso, vamos dar um passo a passo daqui a pouco.

Digamos que você tem um pet shop online que atende cachorros, gatos, pássaros, peixes e roedores com uma variada gama de produtos, que vai desde ração e medicamentos até brinquedos, coleiras e caixas para transporte. A loja oferece diversas marcas, conta com atendimento de especialistas e trabalha tanto com a venda avulsa quanto com a assinatura.

No modelo de assinatura, uma boa alternativa para gerar mais receita é oferecer produtos que casem com aqueles que o seu freguês já compra. Se ele compra uma ração seca, talvez seja interessante indicar uma ração úmida ou um suplemento alimentar para complementar a alimentação do bichinho. Assim, é mais um item que ele pode incluir na recorrência.

Você também pode criar no site um espaço para os donos dos pets cadastrarem os animais, com foto, nome, medidas (peso, altura, idade), se tem alguma restrição alimentar ou não, data de aniversário e adoção. Dessa forma, quando estiver próximo do aniversário, por exemplo, você pode dar uma dica de brinquedo novo. Esse não precisa entrar na recorrência, pode ser um item incluso apenas uma vez.

Tratando os atuais clientes dessa maneira, fica mais fácil conquistar novos consumidores e aumentar o número de assinantes. É possível até fazer aquele tipo de promoção na qual quem indica e quem assina ganha desconto. Se o planejamento estiver bem feito, só essa ação inicial pode render um bom aumento de receita!

Você deve estar pensando que com um pet shop é fácil, pois donos de animais são doidos por seus bichinhos, além de estarmos falando de produtos essenciais na maioria das vezes. Sim, é verdade. Mas como vimos lá no início do texto, os clubes de assinaturas estão em franca expansão no Brasil e nem sempre eles vendem itens tão imprescindíveis assim.

A Netflix, como citamos, não é um clube de assinaturas, mas usa o pagamento recorrente e não é exatamente um serviço essencial, não é verdade? O mesmo podemos falar do Spotify. Já o serviço de pedágio automático Sem Parar é algo bastante útil, inclusive para melhorar o fluxo do trânsito. Bem como o serviço de manutenção de seus purificadores de água que a Brastemp vende, que funciona como uma garantia ilimitada.

Ou seja: tudo depende do seu público-alvo e dos objetivos da sua empresa. Dois dos maiores clubes de assinaturas brasileiros não são considerados essenciais: vinhos e cosméticos. O clube de vinhos Wine é também o maior e-commerce do ramo no país. Seu diferencial é a quantidade de rótulos e a entrega de qualidade. Você escolhe o seu plano de assinatura e o vinho chega na sua casa.

O Glambox se intitula o maior clube de beleza da América Latina. Para entrar no clube é super simples: você escolhe o tipo de plano, preenche o seu perfil de beleza e passa a receber, mensalmente, uma caixa com produtos personalizados. Nos dois casos, é possível adquirir outros produtos no site, de forma avulsa.

Deu para ter uma ideia de como aumentar a receita do e-commerce usando o pagamento recorrente, não é mesmo? Tanto se você já usa esse modelo no seu negócio quanto se pretende implementar. Agora, para consolidar o assunto, confira um passo a passo de como montar um clube de assinaturas:

1 – Comece pela definição do nicho

Quando tratamos de um clube de assinaturas, é importante termos um nicho bem definido, pois é ele que vai estabelecer as bases para a estruturação das vendas, das campanhas de divulgação e do relacionamento diário com os clientes. É preciso mostrar intimidade com o produto ou serviço que você vai vender e também com quem você está conversando.

2 – Faça um planejamento estratégico eficiente

Estabelecido o nicho, é hora de planejar. Não tome atitudes precipitadas só porque o modelo de assinaturas está na moda. Tire um tempo para entender como funciona todo o processo de pagamento recorrente e como ele acontece dentro do e-commerce e para os clientes. A partir daí, monte um planejamento estratégico para essa iniciativa e a siga até o fim.

3 – Inicie a divulgação

Agora que está tudo organizado, é o momento de fazer a divulgação do clube de assinaturas. Estude o público-alvo e foque em campanhas de marketing digital que alcancem os clientes onde eles estejam: redes sociais, e-mails, buscadores, entre outros. Este passo vale, inclusive, para quem já tem um clube bem-sucedido, pois quem está de fora deve saber como é bom participar dele.

4 – Mantenha um bom relacionamento com os clientes

Se o seu objetivo é aumentar a receita do e-commerce com pagamento recorrente, vai ser preciso oferecer mais do que somente um produto. Você vai precisar entregar uma experiência ao seu cliente. Não se limite a enviar um pacote. Faça um atendimento de excelência, entenda o que aquela pessoa estava procurando quando entrou para o seu clube.

Você vai precisar manter um relacionamento com o cliente para, de fato, torná-lo um “afiliado” do seu clube. Dessa forma, além de ficar e adquirir mais produtos, ele vai trazer mais gente para participar!

5 – Tenha uma logística impecável

Se tem uma uma coisa que ninguém gosta é esperar. Então, a logística é item fundamental para quem quer ter um clube de assinaturas. Não pode haver falhas. Aqui não estamos falando apenas de atrasos com horários ou até dias, mas sim de avarias nos produtos. Imagina entregar uma garrafa de cerveja quebrada? Ou um alimento com prazo de validade vencido? Isso não é nada bom!

O investimento em logística é algo que vai valer a pena. E, caso ocorra algum problema, o melhor caminho é o da comunicação honesta e objetiva com o cliente. Se o seu e-commerce sempre foi correto, ele vai entender.

Conte com uma solução de pagamentos adequada

Para abrir um clube de assinaturas ou implementar o pagamento recorrente no seu e-commerce, você vai precisar de ferramentas adequadas para fazer isso, como a solução de pagamentos da Wirecard. Com ela, você consegue criar planos personalizados, fazer a gestão de clientes, o controle das finanças e até recuperar pagamentos.
Para saber mais, acesse nosso site ou entre em contato com a gente. Nossa equipe está pronta para atendê-lo e tirar suas dúvidas. Reforçamos nosso compromisso com os clientes e deixamos nosso time à disposição para ajudar você nesse momento.

Plataforma de e-commerce: 10 itens a avaliar antes de contratar a sua

Como se trata da sua empresa no mundo virtual, a decisão pela contratação de uma plataforma de e-commerce deve ser tomada com o máximo de cuidado. Afinal de contas, é como se você estivesse montando a vitrine em que seus produtos serão expostos e organizando os corredores da loja para seus clientes passarem selecionando aquilo que querem levar para casa.

Por essas e outras questões, a plataforma de e-commerce deve oferecer um ambiente convidativo e preparado para que você possa fazer uma gestão eficiente do negócio. Então, antes mesmo de começar a pesquisar as opções disponíveis no mercado, tenha um olhar de médio e longo prazos sobre a empresa, considerando onde quer chegar com seu e-commerce daqui a 5 ou 10 anos.

Pensar em respostas para perguntas básicas, como quantos clientes quero ter e quanto quero vender por dia, é fundamental para escolher a melhor solução. Porém, é preciso ir um pouco além se você quer uma plataforma de e-commerce que o acompanhe por muito tempo. Veja abaixo alguns aspectos importantes a serem avaliados pensando em cada ente envolvido no negócio:

infografico

Ficou um pouco complicado? Não se preocupe que estamos aqui para ajudar você. No próximo tópico listamos os 10 principais itens para avaliar antes de contratar uma plataforma de e-commerce.

O que avaliar em uma plataforma de e-commerce antes da contratação

Nosso objetivo é sempre auxiliar você, e agora não seria diferente, certo? Por isso, fizemos uma lista com os 10 itens que devem ser avaliados antes da contratação de uma plataforma de e-commerce. Nossa meta é que, ao final da leitura, você seja capaz de escolher uma solução que traga os melhores benefícios para o seu empreendimento. Confira!

1 – Disponibilidade de orçamento

Antes de começar a procurar por uma plataforma de e-commerce, verifique qual o seu orçamento para investir na solução. Até porque de nada adianta negociar com a plataforma da moda se você não tem orçamento para contratá-la, não concorda?

Por isso, seja realista em relação às suas possibilidades financeiras, levando em consideração que esse é um investimento que também trará excelentes resultados para seu negócio. Busque sempre, portanto, o equilíbrio entre custo e benefício.

2 – Projeção de Vendas

Na prática, muitas plataformas cobram por número de clientes cadastrados. Assim, quando você chega ao limite estabelecido, precisa fazer um upgrade. Para evitar futuras dores de cabeça, procure uma plataforma que facilite esse processo, permitindo que você escale seu número de clientes de forma sustentável, pagando por isso um preço justo. 

Para ter parâmetros, faça uma projeção de vendas, considerando quantos clientes pretende ter em 2, 3 e 5 anos, por exemplo. Lembra das perguntas básicas? É aqui que elas entram. Pergunta a si mesmo em que patamar quer que o seu e-commerce esteja e estabeleça números. A dica é ser o mais realista possível.

3 – Tipo de plataforma

Existem, basicamente, 2 tipos de plataformas de e-commerce no mercado: open source e SaaS. Com as open source, você compra todos os direitos de uso, podendo realizar qualquer tipo de customização. Nesse caso, como os códigos são abertos, você pode contratar um programador para fazer os ajustes que quiser, tornando seu e-commerce o mais personalizado possível.

Já as plataformas SaaS funcionam como soluções na nuvem: você realiza um cadastro e já pode começar a montar sua loja virtual.

Quanto às diferenças entre os modelos, podemos adiantar que as plataformas open source demoram mais para serem implementadas e têm um custo mais alto, justamente por se deter os direitos sobre o código fonte. Já as SaaS são de fácil implementação, tanto que você pode montar um e-commerce em apenas algumas horas!

Além disso, as SaaS também possuem um custo mais atrativo, cobrado em forma de mensalidades, e oferecem manutenções regulares, todas por conta do provedor dos serviços, fora selos de segurança, atualizações e outros benefícios que chegam a todos os usuários ao mesmo tempo. No modelo open source, por outro lado, qualquer modificação fica a cargo do usuário.

4 – Responsividade do layout

Por já constituírem uma realidade mais que comprovada, as vendas mobile não podem simplesmente ser desconsideradas por nenhum comerciante online. Nesse sentido, o segredo está em prezar por plataformas de e-commerce responsivas, que se adaptem a diversos tamanhos de tela sem perder a qualidade da navegação.

Vale lembrar aqui que buscadores, como o Google, consideram a responsividade um critério fundamental, conferindo uma classificação melhor nos resultados de busca para aqueles sites que também pensam da mesma forma.

5 – Oferta de funcionalidades

Uma boa plataforma de e-commerce deve reunir funcionalidades que facilitem tanto a navegação dos usuários quanto a gestão do empreendedor. Assim, antes de escolher, o ideal é se certificar de que as funções disponíveis correspondem às necessidades do negócio ou que ao menos exista a possibilidade de customizá-las, para que você tenha uma solução que realmente agregue valor.

6 – Possibilidade de customização

Nesse contexto, customizar é alterar funcionalidades, layout, menus e diversos outros itens da plataforma para deixá-la mais atrativa para o público e mais intuitiva para a equipe, a fim de melhorar não só os resultados das vendas, mas também a forma com que você conduz o empreendimento.

Verifique juntamente ao fornecedor quais são as opções de customização, ou seja, o que você pode alterar na plataforma. Não se esqueça de perguntar o custo para cada alteração ou se você mesmo pode realizá-las.

7 – Integração com ferramentas

Uma boa plataforma também deve estar preparada para a integração com outras ferramentas essenciais para o negócio, como sistemas ERP e de automação de marketing. Quando você tem essa possibilidade, agiliza os processos, concentra as informações em um único lugar e facilita a gestão do empreendimento e o atendimento ao cliente, melhorando a credibilidade geral do e-commerce.

8 – Formas de pagamento

Quanto mais opções de pagamento seu e-commerce disponibilizar, maior será sua capacidade de vendas. Pense bem: as formas de pagamento se diversificam bastante, a cada dia surgindo novas bandeiras de cartões de crédito e soluções para e-commerce — como o débito automático em conta.

E você deve estar preparado para atender seu público com o máximo de eficiência nesse quesito, certo? Por isso, optar por uma plataforma que traga essa variedade de opções ou que permita a integração com soluções robustas de pagamento online é fundamental para o sucesso de suas vendas.

9 – Opções de frete

O frete é um dos principais motivos para o abandono de carrinho no e-commerce, justamente porque o cliente chega ao final do processo de compra e descobre que levará muito tempo para receber ou que terá que pagar um valor muito alto para adquirir o produto.

Para evitar a perda de clientes por esse motivo, você pode diversificar as opções de frete, deixando que os próprios consumidores escolham a melhor opção. Para isso acontecer, no entanto, a plataforma escolhida deve permitir a oferta dessas alternativas, assim como a integração com sistemas dos Correios ou de transportadoras para fazer um cálculo fiel do valor a ser pago.

10 – Fornecimento de suporte

Por fim, é fundamental que você contrate uma solução que forneça o suporte adequado. E por adequado é preciso entender várias opções de canais de atendimento (como presencial, por chat, e-mail, redes sociais, videoconferência, entre outras), além, é claro, de disponibilidade de atendimento.

Imagine que você contrate uma ferramenta com um suporte de segunda a sexta-feira e sua plataforma tem um problema no sábado. É absolutamente inviável esperar todo esse tempo para que o problema seja resolvido, não é verdade?

Avaliação feita? Agora é só escolher a melhor solução para construir um e-commerce de sucesso! Esperamos que esse artigo tenha te ajudado e tirado dúvidas que pudessem estar atrapalhando o andamento dos seus planos. 
E como você já sabe, a Wirecard está aqui para auxiliar você neste momento. Confira a campanha “Conte com a Wirecard” e, claro, conte com a gente! Nosso compromisso com os clientes continua o mesmo de sempre e estamos à disposição para ajudá-lo a enfrentar este momento tão delicado.

Passo a passo para montar seu e-commerce

Com o crescente do número de compradores constantemente conectados com suas marcas favoritas e os expressivos resultados que o comércio eletrônico vem alcançando ultimamente, surge uma dúvida comum: como montar um e-commerce? Pois daqui a cinco minutinhos, com a leitura completa deste post, você terá essa resposta na ponta da língua! Confira o passo a passo que montamos com o que é preciso para ter sucesso vendendo pela internet:

Entenda seu mercado de atuação

Montar um e-commerce sem conhecer bem seu mercado é como começar a construir uma casa sem preparar o alicerce: o resultado só pode ser desastroso.

MercadoFonte: sebraemercados

Para não correr esse risco, procure conhecer previamente o potencial do mercado em que pretende entrar, avaliando quem são seus principais concorrentes e determinando quem é seu público-alvo e qual será o território de atuação inicial. Esse são requisitos mais que básicos para sequer pensar em montar um e-commerce.

Escolha a melhor plataforma

A plataforma na qual o e-commerce opera tem grande influência sobre o dia a dia do negócio, gerando efeitos diretos sobre os resultados da loja. Com isso em mente, não deixe de estudar as diferentes opções disponíveis a fim de escolher a que melhor se encaixe em suas expectativas .

Plataforma
Nesse momento, leve em conta tanto suas projeções iniciais quanto as futuras , considerando o progresso que deseja alcançar.

Desenvolva sua marca com cuidado

Como a marca é o principal meio pelo qual o público vai identificar seu e-commerce, trate de caprichar nessa etapa! Tenha em mente que uma marca forte vai muito além de um logotipo bonito, mas envolve toda uma identidade visual que deve se espalhar pelo site, pelas redes sociais e por qualquer que seja o canal oficial da loja.

Converse com os clientes

Defina quais serão os canais usados para se comunicar com os clientes, como as redes sociais em que estão presentes e um bom sistema de suporte, por exemplo. Depois disso, aprenda a usar cada meio da forma apropriada, explorando todas as suas possibilidades.

E, acima de tudo, estabeleça uma voz própria para conversar com sua audiência, imprimindo a personalidade da marca até aí. Lembre-se de que manter uma comunicação aberta aproxima a loja dos consumidores e cria um vínculo forte com eles.

Cuide das operações vitais

Também não dá para se esquecer dos elementos operacionais do negócio, como logística e entrega! Seja qual for o seu nicho de mercado, é indispensável ficar alerta com relação a essas tarefas consideradas menos glamourosas, pois elas são responsáveis por fazer o restante da operação brilhar. Acredite: sem organização e eficiência nos processos internos é impossível atender bem qualquer comprador online.

Escolha a solução de pagamento

Esse é um dos aspectos de maior importância na hora de montar um e-commerce. Está se perguntando por quê? Simples: mesmo se preocupando com cada detalhe do projeto, se escolher uma solução de pagamento que prejudica as conversões ou não seja segura o suficiente, colocará todo o trabalho em risco. Em vez disso, seja cuidadoso e procure uma solução segura, confiável e com boas taxas de conversão!

Divulgue seu e-commerce

Depois de tudo isso, é hora de despertar a atenção das pessoas. Sendo assim, monte uma estratégia que faça bom uso da marca e dos meios de comunicação que você já definiu previamente. Então abuse de diferentes formas de divulgação, como produção de conteúdo, links patrocinados e e-mail marketing, para construir uma audiência própria o mais rapidamente possível.

Ao seguir esses passos importantes, você estará muito bem preparado para montar um e-commerce capaz de atender às necessidades dos clientes, ganhando o respeito dos parceiros e até mesmo dos concorrentes. Por isso, não deixe que essas informações fiquem só na sua tela! Coloque-as em ação! Essa é a única forma de montar o negócio dos seus sonhos.

E aí, já tentou montar um e-commerce antes? Como você planeja usar essas dicas para fazer o negócio dar certo? Deixe seu comentário e compartilhe suas impressões, expectativas e experiências conosco!

como montar um plano de negócio