Por laercionicolau

O final de ano sempre é a época mais esperada pelos lojistas: é no Natal que o varejo costuma alcançar os melhores números e chegar a índices de venda impressionantes. E isso não vale apenas para o comércio tradicional. Em 2015, o e-commerce brasileiro teve um aumento de 26% nas vendas de final de ano em comparação a 2014 — os dados são de uma pesquisa realizada pelo E-Bit. Para este ano, a expectativa é que o crescimento das vendas fique nas casas dos 14%, chegando a 8,4 bilhões de reais, segundo a mesma empresa.

Por isso, mesmo em tempos de crise, definitivamente vale a pena se preparar para aproveitar o clima favorável ao consumo e trazer mais consumidores e lucro para seu e-commerce. Nesse cenário, é importante investir em ações de marketing (e em promoções) para atrair mais clientes para sua loja virtual. No entanto, também é essencial preparar seu e-commerce para suportar o aumento do tráfego na web, evitando que os compradores tenham problemas técnicos que os façam abandonar o carrinho de compras. Quer descobrir como manter seu e-commerce atrativo quando você mais precisa? Continue lendo!

1. Adequação mobile

Você pode não saber, mas é no Brasil que as compras feitas diretamente pelo aparelho celular mais crescem em todo mundo. De acordo com uma pesquisa da empresa de publicidade Zanox, cerca de 17% das compras virtuais realizadas em 2016 serão feitas a partir do smartphone. Em 2015, esse número ficou em 11%. Isso significa que sua empresa deve estar preparada para receber visitantes que usam uma tela pequena, provavelmente por uma rede de internet mais lenta e com mais desconfianças em relação à segurança da transação.

Portanto, a dica é investir em design responsivo, que faz o conteúdo da sua página se adequar automaticamente ao meio pelo qual o internauta navega — seja um PC, tablet ou smartphone. Ele abrange, além da aparência, o uso de dados do usuário. Para melhorar a segurança das vendas online, procure um gateway de pagamentos que realmente proteja tanto o seu cliente quanto o próprio negócio contra fraudes ou erros que possam custar não só um bom dinheiro como a reputação do seu negócio.

2. Logística de entrega

Com o aumento do volume de vendas, não há escapatória: seu negócio precisa aperfeiçoar todo o sistema de logística para dar conta da demanda. Esse processo deve começar o quanto antes e incluir desde o recebimento de matérias-primas ou produtos que serão revendidos, passando pela estocagem e culminando no envio das compras para os clientes. Tudo deve ser feito em tempo hábil e com os menores custos possíveis.

Para melhorar seu recebimento, faça uma previsão correta de quanto a sua empresa pretende (e pode) aumentar os índices de vendas no final do ano. Lembre-se de que ainda estamos em um momento de turbulência financeira, o que pode inibir visões excessivamente otimistas. Depois,cuide bem do seu estoque: se, por um lado, manter produtos demais em seu depósito é convite certo para o encalhe, por outro, é preciso garantir que você não fique desabastecido em um momento decisivo para seu resultado financeiro anual. Estoque vazio resulta em aumento no tempo de entrega para o cliente, fazendo com que ele corra para o concorrente.

Por fim, prepare-se para lidar com dificuldades no transporte: é no final do ano que as transportadoras ficam saturadas e até os Correios precisam se desdobrar para fazer todas as encomendas chegarem na data combinada. Para evitar dor de cabeça, antecipe-se: faça acordos com fornecedores confiáveis, proteja-se de problemas por meio de contratos sólidos. Lembre-se, ainda, de ser honesto com o seu cliente, só projetando o tempo de entrega e precificando o frete de acordo com a realidade.

3. Catálogo de produtos

De acordo com seu ramo de atuação, você já costuma saber que produto tem saídas melhores nessa ou naquela época do ano. Um exemplo simples vem das lojas que comercializam vestuário: é mais do que esperado que, no inverno, as roupas de frio vendam mais do que no verão. No entanto, essa previsão não é tão simples em todos os setores da economia.

A nossa dica, portanto, é fazer um comparativo com o mesmo período do ano anterior para determinar, afinal, qual produto deverá ter maior demanda no ano corrente. No caso do Natal, pode ser porque tal mercadoria é mais adequada para presentear amigos e familiares ou porque seu preço é mais condizente com o que os consumidores pretendem gastar no final do ano. Também não perca de vista as tendências e os modismos temporários. Lojistas que trabalham com o público infantil normalmente sabem qual é o brinquedo do momento. Verifique se você também pode surfar na popularidade de certos produtos ou mesmo em uma tendência dos hábitos de consumo do seu público!

4. Formas de pagamento

Seja para presentear os familiares e amigos ou para se dar aquela recompensa ao final de um ano de tanto trabalho, todo mundo quer comprar no período de festividades. Isso sem falar no reforço ao bolso de cada um vindo do 13º salário. No entanto, isso não significa que as pessoas também não queiram economizar! Afinal, mesmo em dezembro, ninguém esquece do que vem a seguir: contas de IPVA, matrícula em colégio ou faculdade, compra de material escolar para quem tem filhos.

É simples: todos vão querer consumir sim, mas só comprarão de quem entregar economia. Nesse momento, vale apostar em descontos para quem comprar mais de um item, premiar clientes habituais da loja com condições especiais e ampliar o leque de possibilidades para os pagamentos, seja por meio de cartões de crédito ou de plataformas de transação online.

5. Política de trocas

Na vida, quem nunca ganhou um presente no amigo oculto que teve que ser trocado? Como esse tipo de situação vai se repetir centenas de milhares de vezes em todo o país, o produto que você vendeu no seu e-commerce também pode estar na lista de trocas. Aqui vale lembrar que sua empresa não é obrigada a fazer trocas por conta de preferências pessoais dos compradores por um período indeterminado. No entanto, os compradores online têm um período de até 7 dias para fazer a devolução do produto com reembolso integral ou simplesmente pedir para trocá-lo por algo que o atenda melhor.

O importante é que sua empresa deixe as informações relativas a trocas claras para o consumidor no momento da compra, de modo que ele não tenha surpresas desagradáveis e crie confusão porque o colega da firma não gostou da camisa comprada com você. E não se esqueça de que produtos com defeito ou avarias dentro do período de garantia devem ser trocados. No entanto, é preciso saber, caso a caso, se a obrigação da troca é do próprio lojista ou se deve ser feita diretamente com o fabricante.

6. Preparação do servidor

Vamos ser diretos: sua expectativa como empreendedor online é que sua loja tenha mais visitas do que nunca para melhorar as vendas de final de ano, certo? Assim, você fechará mais negócios, colocará mais dinheiro em caixa e, com um trabalho bem-feito, conquistará clientes que se tornarão fiéis ao longo do próximo ano. No entanto, isso só acontecerá se seu visitante (e possível comprador) encontrar uma loja virtual estável, que não sofre para se manter no ar com o aumento das visitas, que não trava em momentos cruciais — como o fechamento da compra ou a atualização do abastecimento do carrinho de compras.

Para garantir que a experiência do usuário seja a melhor possível, é preciso investir na infraestrutura do seu e-commerce. Converse com sua equipe de TI, reforce os servidores, procure entender quais investimentos são necessários para garantir a estabilidade do serviço e os faça de acordo com suas capacidades.

7. Atendimento de excelência

Vender muito no final do ano é excelente. Mas bom mesmo é conquistar clientes que renderão lucros ao longo de todo o ano. Por isso, é preciso que o visitante seja fisgado por sua loja, desejando retornar mesmo em momentos de menor euforia consumista.

Já falamos que garantir uma experiência de compra consistente é o primeiro passo para atingir esse objetivo. No entanto, não se esqueça, também, de manter uma boa relação pós-compra. Faça o rastreamento e a confirmação da entrega de maneira adequada, responda com agilidade a questionamentos e dúvidas dos clientes no seu SAC ou nas redes sociais e invista no marketing junto a esses novos compradores, entregando conteúdo rico e ofertas adequadas. Só cuide para não ser invasivo!

O período natalino é o mais esperado pelos varejistas e pelos e-commerces. No entanto, não deixe que a ansiedade prejudique seu planejamento e sua preparação para as vendas de fim de ano. Lembre-se de que tão importante quanto melhorar seu lucro em dezembro é garantir a volta de clientes de janeiro a janeiro. Portanto, ofereça uma boa experiência de compra e prepare sua equipe para oferecer um atendimento invejável, desde a divulgação dos produtos até o pós-venda!

Quer saber mais sobre vendas em outros momentos especiais, como Dia das Mães e Black Friday? Então leia nosso post sobre como se preparar para as vendas em datas comemorativas!

Comentários