Por Amauri Moura

Por mais que o e-commerce atraia milhões de clientes anualmente, suas taxas de conversão ainda são bastante tímidas: apenas 2%! Isso significa que, a cada 100 pessoas que visitam seu site, apenas 2 efetuam uma compra imediata. Esse número poderia ser bem maior, não acha? Pois esse é o papel do remarketing (ou retargeting, como alguns profissionais o chamam), que consiste em uma estratégia de recuperação de clientes na internet. Promover a oportunidade de manter a chama da compra acesa no seu visitante não parece ser uma ótima ideia? Por isso é que nossa missão com o post de hoje é ajudá-lo a entender como o remarketing pode ajudar seu e-commerce a faturar. Então vamos lá?

Como funciona o remarketing?

É mais simples do que você pensa: toda vez que uma pessoa visita seu site, o computador dela é marcado com um cookie que passa a rastrear os demais sites visitados na sequência. Se esses sites participam da rede de displays do Google, por exemplo, anúncios personalizados do seu e-commerce são exibidos para o visitante. Mas não é apenas com os anúncios do Google que você pode fazer remarketing, viu? Também é possível utilizar a mesma estratégia em redes sociais, como Facebook e Twitter, com e-mail marketing ou outras plataformas que ofereçam tal recurso.

Que resultados traz?

Segundo o site CMO.com, uma boa campanha de remarketing pode gerar 33% mais vendas para seu e-commerce. Assim você sai dos 2% da taxa de conversão convencional para 35% a mais de clientes comprando e se relacionando com sua marca. Além disso, um levantamento desse mesmo site indica que o remarketing gera 16% mais engajamento e 12% mais consciência de marca para quem investe na estratégia.

E como fazer remarketing?

Para visitantes que chegam ao seu site, navegam por suas páginas e saem sem realizar nenhum pedido, o ideal é que você trabalhe com plataformas como o Google AdWords ou o Facebook Ads. Lá você pode configurar sua campanha de remarketing estabelecendo os anúncios a serem exibidos e o respectivo período de exibição. Assim, toda vez que seu visitante acessar uma página que esteja na rede de displays do Google ou entrar no Facebook, visualizará a publicidade do seu e-commerce, lembrando assim dos produtos que estava procurando. Só isso já aumenta suas chances de retorno.

Já para quem foi um pouco mais adiante no processo e chegou a colocar algum produto no carrinho de compras, sem fechar o pedido, você pode utilizar o retargeting por meio do e-mail marketing. Para isso, envie uma mensagem imediatamente após o abandono, lembrando o usuário de que os produtos ainda estão lá, disponíveis. Aguarde dois dias e envie um novo e-mail, relembrando sobre a possível compra. Espere mais uma semana e faça um novo contato. Simples, certo?

Só mais um detalhe: a frequência dos e-mails, assim como dos anúncios, deve ser determinada com base no ciclo de vendas do seu e-commerce. Dessa forma, se você comercializa produtos com um ciclo de venda curto, faça uma campanha de remarketing também curta (de uma semana, por exemplo). Já se a decisão de compra demora um pouco mais, envie os e-mails com maior intervalo entre um e outro. Se você perceber que o prazo para a tomada de decisão passou, deixe de exibir os anúncios para seu potencial cliente, pois ele pode realmente ter desistido da compra ou até mesmo já ter adquirido o produto de outro fornecedor. A chave está em se manter interessante para o consumidor em vez de se mostrar aquela marca chata que envia e-mails sem parar.

A verdade é que o remarketing não tem segredo. Basta conhecer as ferramentas disponíveis no mercado e investir na manutenção do relacionamento com sua audiência. Mas agora que você já conhece o termo e as potencialidades dessa estratégia, que tal compartilhar esse conhecimento com outras pessoas? Divulgue este post em suas redes sociais!

como vender mais

 

Comentários