Por Regiane Monteiro

Preste muita atenção: 72 milhões! Esse é o número aproximado de brasileiros que acessam a internet por meio de smartphones atualmente. E com tanta gente navegando na web via aparelhos móveis, como fazer para que as páginas do seu e-commerce funcionem perfeitamente tanto nessas telinhas quanto nas dos computadores tradicionais? Simples: transformando seu site em responsivo ou mobile! Ficou meio perdido? Não se preocupe, porque vamos explicar agora mesmo o que significa cada um desses termos e quais são os prós e os contras dessas opções. Então confira!

O que é um site responsivo?

Há algum tempo publicamos aqui no blog um post em que falávamos sobre design responsivo. Para quem já leu, vale uma recapitulação. E mesmo quem não chegou a conferir terá agora mais uma chance de ficar por dentro do tema.

Cunhado em 2011, o termo responsivo se refere aos sites que conseguem, usando a mesma codificação, adaptar todo seu funcionamento tanto para dispositivos móveis quanto para os tradicionais, como os computadores que usamos em casa ou no trabalho. Vale a pena dizer, porém, que essa adaptação não diz respeito apenas ao design de uma página!

Além de encaixar corretamente seu grid em qualquer tamanho de tela, os sites responsivos também precisam otimizar seu peso para que tanto quem usa uma internet 3G quanto quem navega usando uma banda larga de 100 MBs tenha uma boa experiência online. Essa busca por equilíbrio também é feita nos sites mobile, mas de uma maneira levemente diferente.

Veja exemplos de sucesso:

Drexel University - site responsivoDrexel University


Rede de fast food Wendy's -site responsivo

Rede de fast food Wendy’s

Hubspot - site responsivoHubspot

 

E o que são sites mobile?

Com um tipo de programação que se assemelha (bastante) com a dos sites responsivos, os mobile (ou web apps) também se adaptam às telas dos aparelhos de onde são acionados, no entanto, a diferença é que aqui a programação entende de onde está vindo o acesso. Assim, entrega apenas a versão móvel para o usuário! E por mais que esse detalhe nem faça tanta diferença para o usuário, pode fazer muita para o responsável pela página.

Quais são os prós e os contras?

Para deixar claro quais são as diferenças e qual é o melhor momento para se usar cada uma dessas opções, iremos agora fazer uma pequena lista com prós e contras. Veja só:

Sites responsivos

Prós
  • É preciso desenvolver apenas um site;
  • Seu e-commerce usa só uma URL;
  • otimização fica mais bem resolvida;
  • Fica mais barato redesenhar ou criar um site do zero;
  • Preferência do Google por sites responsivos.
Contras
  • Maiores gastos (financeiros e de tempo) com usabilidade;
  • Escassez de mão de obra técnica para produzir e dar manutenção.

Sites mobile

Prós
  • Maior velocidade por ficarem em um servidor separado;
  • Custo menor para criar uma versão móvel (e não redesenhar todo o site);
  • Entrega de resultados diferenciados das buscas.
Contras

É preciso ter uma URL diferente;

  • Realiza-se manutenção em dois sites e não só em um;
  • Pode não funcionar corretamente para todos os tipos de smartphones e tablets (lembre-se, afinal, de que o tamanho da tela já não é o maior diferencial entre celulares e computadores).

Como você pôde ver por aqui, um site responsivo é bastante diferente de um site mobile. Por isso, saber enxergar qual dessas opções é a melhor para seu e-commerce pode fazer muita diferença para o negócio. Pronto para tomar uma decisão? Pois aproveite para assinar a nossa newsletter e ficar por dentro de outros assuntos igualmente relevantes para sua loja virtual sem nem precisar sair de dentro da sua caixa de e-mails!

guia de UX para aumentar a conversão do seu e-commerce

Comentários

  • Regiane Monteiro, como você classificaria uma loja ou site em “APP”, sendo que o usuário, deverá fazer a instalação do aplicativo.

    Pra quem já tem uma Loja Virtual Responsiva, você recomendaria o desenvolvimento de um aplicativo da própria loja para facilitar toda a comunicação do marketing junto aos clientes. Notei que muitas player adotaram a criação do APP.

    • Regiane Monteiro

      Danilo, você não precisa necessariamente desenvolver um aplicativo da própria loja de cara. Vamos levar em consideração que caso você esteja começando, o ideal é ter primeiro a sua loja virtual responsiva, ou seja, aquela capaz de ser visualizada de maneira adaptável em qualquer dispositivo, sem quebrar a página. Isso facilita a vida de quem prefere comprar pelo celular ou tablet, por exemplo. Algumas lojas tem esse aplicativo disponível, é verdade, mas a maioria delas, contam com um faturamento que justifica os gastos financeiros com esse tipo de estratégia, que não costuma ser muito barata, já que exige um desenvolvedor com conhecimento mobile. O aplicativo é oneroso e pode ser um projeto mais a longo prazo. Outra coisa é que a loja pode ter só o aplicativo para a venda, vai da estratégia de cada tipo de negócio.

  • Site responsivo é essencial hoje em dia, nos trabalhamos muito com isso, de uma olhada no nosso portfólio: http://queirozweb.com.br/

    • laercionicolau

      Muito legal o site, pessoal!
      Estão de parabéns, viu. 🙂
      Obrigado sempre pela participação!

  • Pingback: Segurança no e-commerce: como conquistar a confiança do cliente? - MoIP()