Por William Franklin

Os recordes obtidos na Black Friday do ano passado nos fazem pensar no e-commerce em 2016 ainda melhor para o e-commerce brasileiro. Nessa quarta edição do evento no Brasil, a novidade ficou por observar as vendas diluídas durante toda a semana, sem aquele “boom” em um ou outro dia, o que nos mostra um consumidor cada vez mais maduro e menos impulsivo. De acordo com os números divulgados pela e-Bit, houve um crescimento de 38% em relação ao ano passado, com um faturamento de R$ 1,6 bilhões. Foram 2,77 milhões de pedidos e um ticket médio de R$ 580, uma alta de 11%. Em ano de economia complicada, os números são extremamente altos e o cenário positivo, com expectativas de um 2016 de muitas vendas para os lojistas.

e-commerce-2016Fonte: allin.com.br

Além disso, acredito que para o e-commerce em 2016 será um ano marcado pelo aumento do profissionalismo no e-commerce e a busca por uma melhor experiência de vendas multicanal. Quem quiser empreender nas vendas online deve se profissionalizar e ver o mundo digital como um todo e não apenas ter uma lojinha ou ser mais um simples canal. É hora de estudarmos os melhores cases do mercado brasileiro e seguir a mesma linha, analisar também o mercado lá de fora e adaptarmos à nossa realidade e necessidade.

Um erro clássico que vejo no empreendedorismo é fazer um investimento de R$ 200 mil em uma obra para um ponto físico e, depois, na hora de investir e contratar uma agência especializada em e-commerce, achar o valor inicial de R$ 10 mil alto e sem retornos. É uma mentalidade que precisa mudar. O empreendedor deve amadurecer e saber que ele só poderá comparar o retorno entre dois canais quando fizer o mesmo investimento entre eles. É necessário olhar para o universo digital como um mercado mais assertivo e qualificado, pois é nele que se escolhe, principalmente, qual público será atraído para a sua loja.

O ano de 2015 nos mostrou um crescimento do número de lojas online. Com a crise econômica, a bolha que se formou de lojas físicas e o aumento de gastos, principalmente com aluguel dos principais pontos das grandes cidades, a operação online começou a ser vista com outros olhos e contar com mais iniciativas por quem investe no setor. Com isso, acompanhamos um aumento da concorrência no mundo digital, o que é excelente para os consumidores, obrigando os empreendedores a se profissionalizarem e renovarem seus negócios para não serem engolidos pelos novos.

Outro ponto que o ano 2015 nos abriu os olhos e tende a ser algo crescente para os próximos meses é o aumento das vendas mobile.

mobile-e-commerce
Durante a Black Friday, tablets e smartphones foram responsáveis por 11% dos pedidos feitos, concentrando R$ 140 milhões do faturamento total. Hoje o mobile está entre as principais estratégias de comunicação entre lojistas e clientes, portanto é preciso procurar plataformas que permitam, por exemplo, transformar sua loja em um app. Vale lembrar também que pushs nos celulares de clientes são tão importantes quanto uma boa promoção ou uma entrega antecipada.

Para o e-commerce em 2016 as dicas são simples: profissionalize a sua loja virtual. Analise o que tem sido feito, planeje e execute. Tenha atenção a comunicação visual do site, trabalhe o marketing de maneira inteligente e inovadora, preocupe-se com a estabilidade e uma navegação amigável e seja sempre o mais transparente possível com seus clientes. São as atitudes dos lojistas que irão diferenciar os amadores dos profissionais nesse ano.

Sobre o autor: Alfredo Soares é sócio e fundador da Xtech Commerce, plataforma de e-commerce inteligente com mais de três mil lojas criadas e hospedadas, que permite ao lojista trabalhar de forma multicanal, além de possuir estratégias que permitem cuidar 360º da inteligência de sua loja virtual.

Comentários