Por laercionicolau

A cada dia que passa, o consumidor brasileiro se rende mais às compras online. E, realmente, não é para menos! A possibilidade de poder adquirir, de maneira segura, o mais variado leque de produtos e serviços no conforto da própria casa, economizando tempo e dinheiro, parece extremamente atrativa. E é por estarem atentos a esse contexto que muitos empreendedores têm se lançado ao mercado e-commerce, visualizando nesse tipo de negócio uma excelente oportunidade de terem um empreendimento rentável a longo prazo. Contudo, nem mesmo nesse cenário tudo são flores.

Os diversos tipos de meios de pagamento para o comércio digital disponíveis hoje em dia tendem a deixar os gerentes e donos de e-commerce confusos quanto à melhor opção para seus negócios. Além da necessidade de serem seguros, eles devem passar uma imagem de profissionalismo e proporcionar uma excelente experiência para os usuários, além de possuírem um custo-benefício atraente. Parece muito pré-requisito, não é mesmo?

Atualmente, uma das soluções mais comuns é a contratação de combos de gateway. Mas será que esse meio de pagamento realmente é a melhor opção? Pois é exatamente sobre isso que falaremos no post de hoje. Então continue a leitura e tire suas próprias conclusões sobre a solução mais adequada para seu e-commerce!

O que são combos de gateway?

Os combos de gateway são usados como uma ferramenta de gestão de pagamentos pela internet. Esse tipo de serviço é o responsável por fazer a ponte entre a loja virtual e os adquirentes (instituições que analisam e processam a transação comercial), comunicando-se diretamente com as instituições financeiras, que autorizam ou não a transação.

É claro que toda essa operação possui um risco embutido, já que estamos falando aqui de dados bancários. Por isso, ao adquirir um serviço de gateway, também é indispensável contratar uma empresa que faça a gestão de risco de todas as transações. Por fim, na maioria das vezes, há também a necessidade de usar um serviço de conciliação financeira, responsável por administrar todo esse processo.

Ficou um pouco perdido, sem saber muito bem o que cada um desses termos significa? Não se preocupe! Listamos abaixo a definição de um por um, para que você possa entender melhor essa questão. Veja:

Adquirentes

Não importa o meio de pagamento escolhido para seu e-commerce, porque as adquirentes sempre estarão presentes no fluxo de compras. Elas são empresas licenciadas pelas bandeiras de cartão de crédito, responsáveis por analisar os processos de transações financeiras. As adquirentes capturam, transmitem e armazenam dados de cartão de crédito, comunicando-se diretamente com as bandeiras. Entre as mais contratadas hoje em dia estão Cielo, Redecard, Getnet, Elavon e Stone, dentre outras.

Gateways

Basicamente, os gateways são plataformas que conectam o e-commerce aos agentes financeiros — operadoras de cartão e bancos. Essas plataformas disponibilizam um conjunto de APIs para a comunicação com as adquirentes e com a loja virtual, podendo armazenar dados de cartão de crédito dos clientes. Ao contratar um gateway, você obrigatoriamente terá que celebrar contratos separados com cada agente financeiro, bem como assumir todos os riscos das transações.

Gestão de riscos

Justamente por todos os riscos de transações financeiras indevidas ficarem sob responsabilidade do lojista, é essencial contar também com os serviços de uma empresa de gestão de riscos. Essas companhias possuem sistemas antifraude, responsabilizando-se pela veracidade das informações passadas pelos clientes no momento da compra. Isso diminui significativamente os riscos de os lojistas terem que arcar com os prejuízos de compras fraudulentas, que não são ressarcidas pelas operadoras de cartão. As empresas de gestão de riscos mais conhecidas atualmente são ClearSale, FControl e CyberSource, dentre outras.

Conciliação financeira

Adotando um sistema gateway, é preciso que alguém fique responsável pelo controle administrativo e contábil de todas as transações realizadas pela plataforma. E é aí que entram as empresas de conciliação financeira, que fazem todo esse controle, pontuando quando houve o recebimento ou pagamento por meio do gateway.

É válido enfatizar que, ao optar pelo uso de um sistema de gestão de pagamentos gateway para seu e-commerce, você deve celebrar, além do contrato com a prestadora do serviço, contratos separados com cada adquirente, com a empresa de gestão de risco e com a que ficará responsável pela conciliação financeira.

E agora que você já sabe o que são e que papéis desempenham as empresas que devem contratadas para a utilização segura de um sistema de gateway, ficou mais fácil visualizar como esse produto funciona, certo? Mas como saber se um combo de gateway é a melhor escolha para seu e-commerce? Continue acompanhando e conheça as principais vantagens e desvantagens desse sistema!

gateway ou intermediador de pagamentos

Quais são suas vantagens e desvantagens?

Independentemente do meio de pagamento que você escolher para seu comércio virtual, é importante esclarecer que todos possuem suas vantagens e desvantagens, estando uns mais adaptados para um tipo de e-commerce que outros. Para saber se um combo de gateway se adapta às suas necessidades como lojista online, dê uma olhada nas principais vantagens e desvantagens desse meio de pagamento:

Vantagens

  • Maximização da conversão com pagamentos mais simples, rápidos e eficientes;
  • Ampla oferta de bandeiras de cartão, aumentando as possibilidades de conversão;
  • Opção de checkout transparente, com o cliente não sendo direcionado para páginas externas durante a finalização da compra, o que aumenta a taxa de conversão e melhora a experiência do usuário;
  • Possibilidade de direcionar os valores diretamente à conta corrente dos lojistas;
  • Flexibilidade proporcionada pelas opções de customização do gateway — para aceitar compras com cartões de crédito estrangeiros, pagamentos realizados via telefone ou parcelamento de compras sem juros para os clientes.

Desvantagens

  • O risco sob as transações fica inteiramente sob responsabilidade do lojista;
  • A necessidade de se fechar cerca de 10 contratos e fazer 3 integrações torna a implementação extremamente onerosa — lembrando: integração com a adquirente, com a empresa de gateway e com a empresa de gestão de risco, mais conciliação financeira à parte;
  • Os combos de gateway geralmente são desenhados e desenvolvidos para atender às necessidades de grandes empresas, o que acaba prejudicando o pequeno e o médio empresários;
  • A necessidade de contratação de uma empresa que fique responsável pela conciliação financeira, fazendo o controle contábil e administrativo de todas as movimentações financeiras, aumenta ainda mais os custos;
  • A cobrança geralmente é feita com base no número de transações realizadas, independentemente se foram aprovadas ou negadas;
  • A contratação de pessoas e até mesmo de equipes inteiras para fazer a análise de dados dos clientes é, muitas vezes, essencial.

Há alguma solução mais viável?

Apesar de os combos de gateway figurarem como personagens importantes quando o assunto é meio de pagamento online, é essencial que você saiba que, como lojista virtual, não precisa depender única e exclusivamente desse sistema, viu? Existe uma outra solução que, apesar de ser bem menor que o sistema gateway, pode sim ser a melhor opção para estruturar as operações financeiras do seu e-commerce. Aí entram os intermediadores de pagamento.

Os intermediadores de pagamento, que também são conhecidos como subadquirentes, são sistemas que unem todas as soluções necessárias aos combos de gateway em uma só! De maneira resumida, podemos dizer que os intermediadores de pagamento são plataformas totalmente independentes, que realizam a ponte entre o seu cliente, as adquirentes e, claro, o seu comércio.

Esse meio de pagamento é muito usado por pequenos e médios e-commerces, devido a seu excelente custo-benefício para empresas com faturamentos mais modestos. Nesse modelo, você não terá que fazer contratos separados com cada instituição financeira — item obrigatório quando se contrata um combo de gateway. Nesse caso, é necessário apenas se cadastrar na plataforma como vendedor, incluindo dados de uma conta bancária e de um cartão de crédito. Pode acreditar: é simples assim!

Dentre as principais vantagens de contratar um intermediador de pagamentos, podemos citar sua baixa complexidade de integração e os custos menos onerosos — por mais que a cobrança de taxas costume ser um pouco maior que a dos combos de gateway. Além disso, a maioria das empresas que oferece os serviços de subadquirente já dispõe de um sistema contra fraudes acoplado à plataforma, o que automaticamente o libera da constante preocupação com a análise de crédito dos clientes no momento da compra e com o trabalho (e o custo) de ter que contratar uma empresa de gestão de risco que faça esse serviço para você.

Por outro lado, todas essas facilidades resultam, grande parte das vezes, no redirecionamento do site do e-commerce para o portal do intermediador, o que, em alguns casos, pode resultar em uma queda da taxa de conversão de vendas, uma vez que gera certo desconforto em usuários mais inseguros. Mas a boa notícia é que já existem empresas de intermediação de pagamentos que oferecem a opção de checkout transparente, que permite que o cliente fique dentro do ambiente virtual da loja durante todo o processo de compra. O resultado se vê traduzido em uma maior taxa de conversão de vendas.

A contratação de um sistema de pagamento via subadquirente pode, no fim das contas, representar menos dor de cabeça para o usuário, sem contar que é uma opção inteligente e sustentável, especialmente se seu e-commerce ainda não atingiu grandes faturamentos. Por ser totalmente automatizado e reunir todas as ferramentas necessárias para oferecer um modo de pagamento seguro a seus clientes, você poderá se dedicar ao que é realmente importante: as questões relacionadas exclusivamente ao seu empreendimento!

Na verdade, como você pôde ver, a escolha do meio de pagamento mais adequado para seu e-commerce dependerá muito das necessidades inerentes ao negócio. O melhor a fazer é sempre pesquisar muito e, de preferência, testar ao menos algumas opções antes de se decidir. E nunca se esqueça de que, à medida que seu negócio for expandindo, essas necessidades também mudarão. Então fique de olho em todas essas questões e faça a melhor escolha para você e sua loja virtual!

E se você quiser saber mais sobre as possibilidades de meios de pagamento para seu e-commerce, não deixe de ler este nosso outro post sobre o assunto!

Comentários