Como o checkout transparente impacta diretamente o seu negócio

O momento atual do setor de e-commerce é de muita competitividade, o que vem impulsionando a demanda por recursos que promovam uma boa experiência aos consumidores. Para se ter ideia, somente em 2020, 13 milhões de brasileiros realizaram sua primeira compra online. Apesar de ser um mercado promissor e em constante crescimento, é fundamental estar atento a soluções que destaquem o empreendimento da alta concorrência, como é o caso do checkout transparente. 

Se você tem dúvidas sobre o conceito, ele consiste basicamente no processamento do pagamento de um e-commerce realizado dentro do próprio site, ao contrário do processo padrão que redireciona para outra plataforma, gerando desconfiança e insatisfação, o que acaba por afastar clientes. 

Aliás, essa não é uma tarefa difícil. Para se ter ideia, conforme pesquisa da Ve Interative, a taxa média de abandono de carrinho no Brasil é de 83%. Ou seja, se a sua loja virtual não estiver bem preparada, no que envolve o checkout, as chances de perder consumidores para a concorrência é grande. 

Como a falta de um checkout transparente afeta as vendas de um negócio

Imagine que você está navegando em um e-commerce e, ao finalizar a compra e ir para o carrinho, precisa preencher um formulário extenso ou é direcionado para uma página que já não faz parte da loja. Muito provavelmente, iria se questionar sobre a questão, ou mesmo desistiria do site, concorda? 

Pois é justamente isso que acontece com grande parte dos consumidores. Nesse contexto, a falta de um checkout transparente pode acarretar negativamente em diferentes aspectos. Alguns deles são:

Desconfiança da credibilidade e segurança da loja: por mais que as pessoas estejam cada vez mais acostumadas ao universo online, é muito comum que desconfiem de sites onde os processos não são bem claros, o que desfavorece a vontade de se tornar cliente;

Maior abandono de carrinho: se a taxa de abandono de carrinho já é grande entre os consumidores, quando um e-commerce deixar de investir em um checkout transparente, o qual impacta diretamente no receio sobre a segurança dos dados pessoais, ela tende a se tornar cada vez maior; 

Experiência ruim do cliente: nunca foi tão importante priorizar as percepções dos consumidores como nos dias de hoje. Afinal, a concorrência só aumenta, na mesma medida em que as exigências por uma ótima experiência acompanham essa tendência. Se uma loja virtual não tem isso em mente, a satisfação dos seus clientes fica comprometida;

Baixa conversão de vendas: ao se oferecer uma boa experiência de compra, automaticamente o abandono de carrinho é minimizado e as conversões de vendas aumentam. Ou seja, isso significa lucratividade.

Como o Moip potencializa os processos de pagamento do seu negócio

O Moip foi pioneiro na tecnologia de checkout transparente e trouxe essa inovação para o mercado. O sistema oferece a opção de integrar diretamente o seu site por meio da própria API ou das plataformas parceiras. Isso significa uma melhor experiência para o seu cliente e maior conversão para o negócio. Para saber mais sobre a solução, entre em contato com a nossa equipe.

Nova call to action

Por que o split de pagamento transacional é ideal para o meu marketplace?

Os marketplaces são conhecidos por proporcionar flexibilidade aos consumidores e vendedores, o que se estende para os meios de pagamento. Além da necessidade de satisfazer os clientes quanto à facilidade e comodidade no checkout, as plataformas precisam receber as taxas cobradas dos lojistas, na mesma medida em que estes esperam pelo montante devido de forma rápida, organizada e confiável. Nesse cenário, o split de pagamento transacional pode ser uma boa solução, já que esse processo se torna totalmente automatizado.

Essa ferramenta permite aos marketplaces dividirem uma mesma transação em diversos pagamentos de forma automática, em tempo real e sem a necessidade de intermediadores. Ou seja, a gestão dos valores a serem recebidos pelas partes envolvidas, bem como os processos em si passam a ser realizados com mais eficiência, precisão e agilidade. 

Os splits de pagamento são divididos em pós transacional e transacional. O primeiro modelo é possível apenas para transações com cartão de crédito e pode ser realizada dentro de um período de 20 dias se o marketplace possuir um regime padrão de pagamentos, o segundo realiza o comissionamento e repasse automaticamente para os agentes da transação, excluindo a figura do marketplace como agente de pagamento.

Split de pagamento e marketplace: um caminho menos complexo para realizar a divisão de pagamentos

Segundo a Ebit|Nielsen, o mercado de marketplace cresceu 52% em 2020, o que gerou um faturamento de R$72,3 bilhões para o segmento. As plataformas estão se tornando cada vez mais robustas, envolvendo um número grande de lojistas, o que por sua vez gera a necessidade de organizar a gestão de processos. Entre eles estão os relacionados à dinâmica de divisão de pagamentos entre os marketplaces e as marcas que lá se encontram.

É dentro dessa realidade que o split de pagamento pode ajudar. Trata-se de uma ferramenta que tem grande valor, tanto para as plataformas de produtos quanto de serviços. Veja nessa representação como ela funciona na prática:

Isso, atrelado a criação de regras personalizadas, coloca o split de pagamento como um recurso que melhora as etapas de compra, gerando mais inteligência e redução de tempo gasto por empreendedores em processos administrativos. 

Entre os benefícios a destacar estão: evitar bitributação, integração mais simples para lojistas, melhor organização de recebimentos e satisfação do cliente final.

As regras do split de pagamento

As regras e o modo de funcionamento do split de pagamento podem ser definidos pela empresa que administra o marketplace. Vale ressaltar que, para atrair cada vez mais vendedores e se tornar uma grande plataforma, é preciso estabelecer taxas e comissões por transação justas e satisfatórias para ambos os lados, conforme o modelo de negócios.

Normalmente, para marketplaces de produtos, a média de taxas de comissionamento fica entre 10% a 20%, variando conforme o ticket médio dos consumidores. Já quando se trata dos marketplaces de serviços, uma porcentagem adequada varia de 15% a 25%. Isso porque serviços geralmente têm uma margem de lucro maior em função de não haver necessidade de comprar produtos para revenda.

Outro aspecto a ser considerado pelos empreendedores é o estorno ou chargeback. Conforme o Art. 49 do Código de Defesa do Consumidor, qualquer pessoa possui o direito de se arrepender de uma compra pela internet e devolver o item comprado em até 7 dias. Se isso ocorre, o marketplace precisa devolver o dinheiro para o cliente.  Ao fazer o estorno, como o gateway já realizou o pagamento, cobrando uma taxa da plataforma, o custo normalmente fica em cerca de 3,5% do valor do produto ou serviço. 

Como esses encargos são inevitáveis, o gestor da plataforma deve decidir quem deverá arcar com os mesmos. Geralmente, o custo é dividido entre marketplace e vendedor. No entanto, é possível ao operador do marketplace arcar com a despesa sozinho, oferecendo como um dos diferenciais. 

Com a evolução do varejo online, os vendedores podem alcançar mais pessoas e contar com processos menos complexos, elemento importante para fazer com que as empresas cresçam.  

O Moip é uma plataforma de serviços financeiros pensada para ajudar varejistas a facilitarem seus processos de pagamento com segurança e inteligência. Para saber mais sobre o split de pagamento e outras soluções, entre em contato com um dos especialistas.

Dicas e erros a evitar para configurar o split de pagamentos em sua empresa

Com o aumento considerável no número de marketplaces, aplicativos de serviços e demais plataformas que envolvem diferentes fornecedores, a escolha de um bom produto de split de pagamentos é cada vez mais necessária. Afinal, trata-se de uma ferramenta que facilita o processo tanto para os gestores dos sistemas quanto para quem os utiliza como vendedor ou cliente, e precisa ser sólida e confiável para todos.

Apesar de saber da importância do produto, é comum que os empreendedores deixem de aproveitá-lo completamente , em função de alguns problemas de configuração e implantação.

 Este artigo,  pode te ajudar com dicas e o que fazer para evitar erros  ao utilizar o split de pagamentos em seu negócio. Assim, você vai aproveitar ainda mais benefícios da ferramenta.  Confira!

Como utilizar o split de pagamento da melhor maneira

De modo geral, o split de pagamento permite que o pagamento que os consumidores fizeram para um ou mais vendedores, com ou sem comissão para o marketplace, seja dividido no ato da transação da maneira combinada entre as partes envolvidas.

A partir da autorização pelas instituições bancárias, o recurso faz a divisão dos valores de forma automatizada, conforme as regras determinadas pelos gestores. Veja algumas dicas de como garantir que o split de pagamento funcione corretamente para seu e-commerce:

– Mantenha atualizados todos os dados de fornecedores, vendedores, franquias e demais envolvidos, de forma com que ambos possam receber corretamente;

– Utilize o split de pagamento para seguir em conformidade com a regulamentação do Banco Central (BACEN) para os marketplaces, pois com o uso da ferramenta se elimina o fluxo financeiro da gestão do negócio;

– Saiba que a tecnologia de split de pagamento é indicada para qualquer tipo de empresa cuja gestão financeira envolve mais de um recebedor, independentemente de formato, segmento ou nicho. O que vale, neste caso, é o modelo de negócio.

Trata-se de um recurso simples de ser implantado, na mesma medida em que traz automatização e otimização dos processos de pagamento, gerando organização, agilidade e satisfação para todos os envolvidos na compra e venda.

Erros a serem evitados com o split de pagamento

Por si só, o split de pagamento segue a premissa de gerar menos erros possíveis. Porém, como citamos, a má configuração pode atrapalhar o seu funcionamento. Os principais erros a evitar são:

Configurar além da porcentagem indicada

As regras de divisão são configuradas por pedido. A divisão pode ser feita: 

1) por meio de um valor percentual de 0 a 100% (exemplo: 20%);

2) por meio de um valor fixo (exemplo: R$5,00).

Não incluir corretamente os dados de fornecedores e vendedores

A inserção de informações corretas sobre os vendedores e fornecedores é um fator básico para o bom funcionamento do split de pagamento. Do contrário, por mais que o sistema realize os processos automaticamente, torna-se impossível finalizá-los. Na prática, os procedimentos de repasse podem ser interrompidos.

No entanto, ao contar com uma solução eficiente como a do Moip, caso ocorram falhas é possível acionar o time de integração, o qual prontamente presta suporte ao cliente. Apoiamos as empresas na otimização de seus processos de pagamento, estando dentro das diretrizes do Banco Central. 

Para saber mais sobre os nossos serviços, entre em contato com um de nossos especialistas.

Gestão de riscos e antifraude para marketplaces: por que é importante adotar

Riscos sempre fizeram parte do mundo dos negócios. No entanto, com a constante digitalização e grande procura por compras online, novos tipos de brechas podem afetar os lucros e, principalmente, a segurança. E isso interfere na empresa e também nos consumidores. Para evitar essas vulnerabilidades, como é a sua gestão de riscos atualmente?

Como o material criado pelo PagSeguro destaca: “a insegurança ainda é presença constante na vida de quem escolhe vender pela internet, afinal, as fraudes, invasões de conta e roubos de dados continuam sendo um risco muito grande, representando prejuízos consideráveis para o e-commerce.”

Por isso, vamos ajudar você a entender como a gestão de riscos e antifraude em espaços online é necessária. Acompanhe!

Por que uma gestão de riscos é necessária no comércio online 

Com a necessidade de contar com processos seguros nos marketplaces, a gestão de riscos é uma abordagem que deve ser considerada pelas empresas o quanto antes. Quem escolhe vender pela internet, acaba se arriscando a ser vítima de fraudes, invasões e até mesmo roubo de dados, o que pode acarretar em grandes prejuízos.

Diferente do ambiente físico, o varejo online (ainda mais agora do que anos atrás) possui diversos players e intermediários, como marketplace, site, redes sociais, etc. Em muitos casos, o que acontece é que as empresas não possuem times dedicados de análise de riscos e prevenção a fraudes, contando com os serviços que as plataformas oferecem.

Isso provoca a necessidade de pensar sobre a importância da gestão de riscos que é adotada, já que se trata de uma estratégia que pode criar caminhos a serem seguidos em diversas situações. Dessa forma, é preciso saber sobre os impactos que o e-commerce pode sofrer para que as estratégias de prevenção e detecção de fraudes sejam adotadas.

É válido considerar que as ameaças no ambiente virtual não são visíveis quando comparadas com uma loja física. Enquanto na loja física o cliente e o cartão estão presentes em sua frente, na virtual eles estão atrás da tela do computador, aumentando a exposição e a necessidade de conhecer melhor o cliente e as características da transação.

Principais riscos em marketplaces para ficar atento

Embora seja impossível a redução das ameaças a nível zero, é possível identificá-las, avaliá-las e traçar estratégias para que causem menos impactos. Nesse sentido, é preciso focar em, sobretudo, minimizar os prejuízos que essas situações podem causar, garantindo mais segurança para quem compra e para o crescimento da empresa.

Em relação a isso, algumas das condições em que um negócio pode ser submetido, ao se ver vulnerável a ataques virtuais, são: indisponibilidade da loja, perda da confiança dos clientes, problemas na transação em operações de venda, queda significativa de taxa de conversão e na reputação da marca.

Por isso, é importante se manter atento aos principais riscos em um marketplace, como:

  • Invasão e comprometimento de dados;
  • Chargebacks;
  • Abusos;
  • Inadimplência;
  • Golpes, fraudes e extorsões.

Vale lembrar que não são apenas lojas online que vendem produtos caros ou de marca renomada que estão sujeitas aos riscos. Lojistas que possuem faturamento de baixo a médio também não estão livres de ameaças, podendo, inclusive, serem usados, sem saber, para teste de cartões (para saber se estão válidos e ativos).

Fraudes mais comuns em produtos do e-commerce

É de se esperar que alguns produtos sejam mais cotados por fraudadores e ameaças virtuais. Provavelmente, o motivo para que estejam na lista dos mais comuns de sofrerem fraude seja a revenda relativamente fácil no que diz respeito ao mercado. Por exemplo, um celular possibilita mais facilidade de ser revendido do que um móvel.

Para ilustrar alguns dos tipos de produtos mais visados por fraudadores, temos: eletrônicos, celulares, jóias, bebidas, games, vestuários, entre outros no qual tenham uma revenda mais rápida.

Por que você deve investir na gestão de riscos e antifraude 

A importância para que marketplaces garantam um ambiente seguro e operante está justamente em evitar as chances reais de perda de negócios e de ter sua imagem comprometida.

Segundo o Mapa da Fraude 2020, publicado pela Clearsale, no Brasil houve incidência de R$3,6 bi em tentativas de fraude. Além disso, em 2020, setores de e-commerce, mercado financeiro, vendas e telecomunicações foram vítimas de 403 tentativas de fraude por hora ou 7 tentativas por minuto.

Além disso, ao realizar uma boa gestão de riscos, que é essencial para negócios de todos os segmentos, é possível:

Oferecer mais segurança quanto aos dados dos clientes

Os ativos mais importantes em uma loja virtual são os consumidores. E cada vez mais os ataques virtuais têm predominado em capturar informações sobre os clientes. Isso afeta diretamente a credibilidade do e-commerce, influenciando ainda mais na insegurança de compradores em relação a realizar compras online.

Impactar os indicadores de performance da empresa

Chargebacks de fraude impactam diretamente a saúde financeira da empresa, criando instabilidade no fluxo de caixa e resultando em prejuízos. No entando, ao identificar e conhecer as ameaças, é possível prever os meios de ataques. Isso possibilita um melhor preparo para o enfrentamento, por meio da gestão de riscos.

Gerenciar melhor as operações e otimizá-las

Ao investir em uma eficiente gestão de riscos e antifraude, torna-se possível otimizar as operações da loja. Isso porque, ao controlar melhor as ameaças e ter noção dos perigos ao redor, os sustos que podem ocorrer durante a atuação do negócio são minimizados, o que confere aos gestores maior tranquilidade, produtividade e eficiência.

Defesa contra inadimplência dos sellers

Contar com processos seguros nos marketplaces exige também uma boa gestão de risco contra a inadimplência de sellers. Um exemplo disso são aqueles que não possuem capital de giro para atender a demanda de venda e solicitaram a antecipação do pagamento das vendas realizadas. Então, ele usa esse dinheiro para comprar, posteriormente, os produtos que vendeu.

No entanto, nada garante que ele vai enviar o produto para o consumidor. Caso isso não ocorra, o comprador vai abrir um processo de chargeback para pedir o dinheiro de volta, já que não recebeu o que comprou.

Assim, acaba comprometendo não só o faturamento do marketplace em si, como também a organização do negócio, já que ele precisa devolver o valor de um produto que não foi entregue, porém, o saldo já foi adiantado para o seller.

Uma forma de tratar este risco é investindo em uma gestão que crie gatilhos de venda no início da vida do seller, determinando um volume X para as vendas. Isso permite testar o comportamento do lojista quanto à inadimplência desse tipo.

Concluindo…

Por fim, entender como o marketplace está sujeito a fraudes e precisa de uma boa gestão de riscos é o primeiro passo rumo à garantia de mais segurança. O segundo, portanto, é sobre o quanto você está disposto a investir e ter seu negócio protegido.

O Moip tem o objetivo de ajudar você a reduzir não só as transações fraudulentas como também as complexidades na hora de realizar a gestão de riscos.

Com experiência no mercado, além de expertise em promover processos de qualidade para grandes clientes do país, o Moip oferece a você gestão de riscos para seller e compradores,  além da possibilidade de resolver tudo em um só contrato. Conheça agora mesmo a solução de pagamentos mais completa para a sua empresa!

MUMA | Entrevista com Matheus Ximenes, CEO e Fundador

Essa semana batemos um papo com o Matheus Ximenes, CEO e fundador da Muma, que é um marketplace voltado para móveis de design assinado e peças de decoração.

A Muma é cliente Moip e o Matheus contou pra gente sobre como nasceu a Muma e como eles se preparam para uma data como a Black Friday!

1. Conte um pouco sobre a Muma?

A MUMA é uma loja online de móveis de design assinado e peças decoração, com duas Guide Shops (em São Paulo e em Recife), que operam para complementar a experiência proporcionada ao cliente nos canais de venda online. Nosso diferencial é criar uma experiência de compra em que se forma um vínculo entre clientes, designers, produtos e nossa equipe.

Todos os produtos comercializados pela plataforma possuem design exclusivo, de alta qualidade e são criados por designers famosos ou emergentes, de todo o mundo, mas com foco especial no DNA brasileiro.

A MUMA liderou no formato de estabelecer o caminho mais curto e barato entre clientes e designers e inovou na forma de chamar a atenção para os designers e peças de design.

2. Como surgiu a ideia da Muma?

A MUMA nasceu da minha inquietação com a forma como o mobiliário era vendido no Recife, minha terra natal. Só era possível encontrar peças de design muito caras voltadas para um público AA, em lojas tradicionais. Eu mesmo trabalhava em escritório de arquitetura para o mercado de luxo, mas mesmo esse público seleto optava por viajar para comprar fora do Brasil. Aquilo me incomodava porque eu estava na quinta maior cidade do país, com muita gente legal, produzindo peças incríveis. Alguma coisa não estava certa. Então decidi criar uma loja para remodelar esse sistema.

3. Qual o desafio de se preparar junto com os sellers para a black Friday? Como o Moip ajuda nisso?

É um grande desafio a Black Friday e ao mesmo tempo o melhor momento de vendas para a Muma. Esse ano, devido à Pandemia, a Black Friday se tornou mais desafiadora. Muitos fornecedores venderam tanto que ficaram sem produtos para fornecer. Outros, que trabalham com produtos importados, tiveram que aumentar o valor dos produtos devido à alta do dólar. Para a Muma, antes da pandemia a regra sempre foi não aumentamos preços depois de agosto, mesmo que os fornecedores aumentem, para que o consumidor não tenha a sensação que na Black Friday aumentamos primeiro para depois dar um desconto. Mas como tudo que houve esse ano, não foi possível cumprir essa filosofia. Nossos fornecedores tiveram que subir muito o preço e a Muma não conseguiu segurar. Mesmo assim, temos áreas que conseguiremos ter descontos incríveis.

Nessa Black Friday quase tudo na loja vai ter desconto. O menor desconto será de 10% e algumas peças de decoração conseguimos negociar 60%.

A participação do Moip sempre foi fundamental. Pois a experiência de compra não pode existir se o pagamento não acontecer de fato. O que torna o Moip ainda melhor, do nosso ponto de vista, é o consumidor consegue pagar muito rapidamente, com muita segurança e com a certeza de que os dados dele serão bem cuidados. Afinal de contas, temos um ticket médio bastante alto entre nossos clientes, precisamos trabalhar com parceiros que ofereçam alto nível de segurança.

4. Como é a preparação de logística? Fazem ações em conjunto com os Sellers?

Sim, todas as ações são feitas em conjunto com os fornecedores da Muma. Começamos a trabalhar negociações de Black Friday em Agosto, desde produção até prazos de entrega, valores, tudo o que podemos negociamos. Os nossos fornecedores são super parceiros, entram junto conosco sempre e o grande beneficiado é nosso consumidor.

5. Como vocês se preparam para a Black Friday? Como trabalham a divulgação? Quais os formatos favoritos para consumir esse tipo de conteúdo?

Temos o DNA Digital. A Muma nasceu da venda por e-commerce. Nossas lojas são grandes showrooms e nos ajudam a dar confiança em alguns produtos. A Black Friday é para nós imperdível. Durante essa data, trabalhamos muito para oferecer o menor prazo de entrega possível, o menor custo possível e a maior qualidade.

Divulgamos nas nossas redes sociais, por meio de nossa assessoria de imprensa e também compramos algumas palavras chaves na data. Além disso, temos nossos clientes e fazemos uma comunicação direcionada para eles. Aliás, esse na Black Friday é sempre o melhor caminho, a abordagem do seu cliente para que ele compre um novo produto. Temos um marketing muito bem estruturado e que nos apoia para personalizar ao máximo nossa comunicação com o nosso público alvo.

5. Quais práticas utilizadas para aumentar a conversão de vendas durante a Black Friday? Como vocês lidam com a forte concorrência dessa data?

É um misto de coisas. Temos que ter um bom produto e um bom desconto. Também é necessário mostrar nas chamadas os produtos com mais descontos e é preciso que o site esteja todo redondo, não pode falhar em nenhuma página e deve carregar em poucos segundos. Aumentamos nosso potencial tecnológico para nos mantermos no ar mesmo que tenhamos um acesso simultâneo de muitas pessoas e, também, procuramos ter uma equipe pronta para responder dúvidas. O atendimento de chat e telefones faz muita diferença na hora da decisão por um produto de alto valor. Normalmente não nos preocupamos com o que a concorrência está fazendo, pois se cada um fizer a sua parte, o consumidor sempre ganha e todos saem felizes. Existe mercado para todo mundo.

6. Como é o relacionamento com os sellers da Muma antes da Black? Que tipo de estratégias você já usa para atrair novos sellers durante o pré Black Friday?

O relacionamento é de parceria. Fazemos tudo o que podemos para beneficiar o consumidor com produtos de qualidade e bons descontos.

A Black Friday não costuma para nós atrair novos fornecedores. Isso é uma prática diária da Muma. Sempre selecionamos novos fornecedores, desde que eles estejam dentro dos padrões de qualidade que temos e sejam móveis assinados por designers.

7. Como você espera que o Moip dê suporte nos próximos passos do seu negócio? O que vocês precisam do Moip pra isso?

Nossa expectativa é que vocês continuem fazendo o brilhante trabalho de não aparecer rsss. O melhor meio de pagamento é aquele que o consumidor nem percebe que existe. Sinal que foi absolutamente fluida a experiência, sem barreiras e sem problemas. Perfeita. O Moip tem sido um bom parceiro. O que nos ajuda sempre é ter taxas menores para que possamos repassar em benefício para os consumidores.