Por Thiago Maboni

O último Relatório de Vigilância do Sistema de Pagamentos Brasileiro, de 2015, divulgado pelo Banco Central, mostrou que os cartões de crédito e de débito estão se tornando, cada vez mais, a primeira opção do brasileiro – principalmente quando as compras são pela internet. Em comparação a 2014, o uso do cartão de crédito subiu 9% (cerca de R$ 678 bilhões); já no débito, essa taxa de crescimento foi ainda maior 12% – o que representa 390 bilhões de reais.

Quem pretende abrir uma loja online deve estar atento a essa tendência, uma vez que ela irá afetar diretamente o seu e-commerce. Conceitos como adquirentes, subadquirentes e gateways de pagamento precisam estar bem claros para que possa fazer a melhor escolha dentre tantas opções que existem no mercado.

E é exatamente isso que você vai aprender hoje: os conceitos, as vantagens e desvantagens de cada opção, como elas conversam entre si e como definir aquela que se encaixa melhor dentro das suas necessidades; evitando assim, futuras dores de cabeça na sua loja.

Receba dicas de como vender mais no seu e-commerce



O que é um adquirente e como ele funciona

Os adquirentes são membros licenciados pela bandeira de cartão que analisam e aceitam estabelecimentos (lojas online e offline) em seu programa de transações financeiras, conversando com os bancos, as bandeiras e as lojas. Alguns exemplos de adquirentes são empresas como a Cielo, Rede, GetNet, entre outros.

As bandeiras, por sua vez, fazem o contato com os bancos emissores dos cartões. Quando a transação é aprovada pelo banco, a bandeira do cartão retorna esta informação ao adquirente que, por sua vez, autoriza o processo de compra junto ao lojista.

Normalmente, o pagamento é feito à loja em 30 dias, contanto a partir do momento da compra. Caso  a compra tenha sido parcelada pelo cliente, o pagamento pode ser entregue conforme as parcelas são recebidas ao longo dos meses ou à vista, tudo dependerá do contrato que você fechar com a adquirente ou com o intermediador de pagamentos.

E para fazer esse processamento, as empresas que prestam o serviço cobram uma taxa por transação realizada, que varia entre 3% e 6%, dependendo da forma de pagamento – as taxas mais altas são aplicadas para as compras parcelas e as mais baixas para as realizadas no débito, ou crédito à vista.

Além da cobrança por transação, uma das principais fontes de lucro das adquirentes é o aluguel de máquinas de cartão de crédito e débito utilizadas em lojas físicas. Seu uso é cobrado mensalmente, com preços que giram em torno de R$ 100.

Um dos pontos positivos de trabalhar diretamente com uma adquirente é ter um custo por transação menor, aumentando a margem de lucro do lojista. Entretanto, dentre os pontos negativos, pode-se destacar a falta de serviços de gateway e de antifraude integrados, o que pode deixar seu checkout sensível a erros e passiveis a fraudes. Isso significa que, se decidir fechar contrato diretamente com a adquirente, você deverá contratar, por fora, um serviço de gateway e outro para proteção contra fraudes. O serviço de boleto bancário também será mais um contratado à parte.

adquirente ou subadquirente - cadeia de pagamentos

Empresas consolidadas e novos players: conheça os principais adquirentes que atuam no Brasil

Até 2010, as adquirentes podiam manter contrato de exclusividade com as bandeiras de cartão no Brasil. Com o fim desta possibilidade, todos os players desse segmento mantiveram contratos com as bandeiras mais utilizadas, permitindo que um número significativo de novos players fosse introduzido no mercado.

Apesar da abertura do mercado para a concorrência, a Cielo segue como líder no segmento. A empresa afirma que, em 2014, processou mais de 5,7 bilhões de transações. Criada em 1995, pelos bancos Bradesco, Banco do Brasil, Real e Nacional, a empresa oferece, além da bandeira internacional Visa, soluções para 1,6 milhão de pontos de venda em mais de 5.500 municípios do país.

Para lojas online, a Cielo cobra mensalidades, dependendo do tamanho do seu negócio, a partir de R$ 59,00 e a taxa de inscrição é gratuita. Nas compras a débito, a taxa é de 2%, com recebimento em 1 dia útil. Compras no crédito, sem parcelamento, têm taxa de 2,5%, com recebimento em 31 dias. Pagamentos parcelados podem chegar a taxas de 4%.

Já a Rede segue em segundo lugar em fatia de mercado, faturando R$ 1,8 bilhões em 2013. Criada do Citibank, Unibanco e Itaú, após o fim da Credicar, a empresa tem soluções de pagamento presentes em todas as cidades brasileiras com acesso a energia e serviços de telecomunicações.

Para lojas online, a Rede oferece dois planos: o Rede Play e o e.Rede. No primeiro, não existe mensalidade. A taxa para compra no crédito é de R$ 0,99% e as compras parceladas podem ter a parcela adiantada – mediante pagamento de uma taxa de 2,99% por parcela. Nessa opção, o cliente sai do ambiente da loja para realizar o pagamento, sendo redirecionado para outro site. Já na e.Rede, o pagamento é realizado dentro da própria loja.

Juntas, essas duas adquirentes representam cerca de 90% do mercado brasileiro.

Em terceiro lugar, mas ainda com apenas 6% do mercado, a GetNet, criada por brasileiros em 2003, fornece soluções de pagamento para mais de 100 mil negócios no país. Trabalha com as bandeiras Visa e MasterCard e a taxa por operação no e-commerce é de 2,4% nas vendas em débito e de 3,1% nas vendas em crédito à vista.

adquirente subadquirente - cta

Nos últimos anos, também vimos empresas norte-americanas chegarem ao mercado brasileiro, como é o caso da Elavon, que estabeleceu operações no país em 2012. A empresa oferece as seguintes modalidades para as lojas online:

  •        TEF: utilizado por redes de estabelecimento de médio e grande portes (a mesma utilizada por estabelecimentos físicos) como solução de captura para este ambiente.
  •        Plataforma Webservice: uma plataforma simples, segura e estável com manipulação de arquivos XML, onde há uma série de serviços, como por exemplo: o Soft descriptor (Dynamic DBA), que é a possibilidade de personalizar como a compra aparecerá na fatura do comprador; e a compra com 1 clique.

A brasileira Stone foi criada pelos bancos BTG Pactual e Panamericano em 2014. Também trabalha apenas com as bandeiras Visa e MasterCard e as taxas são negociadas de acordo com o perfil de cada cliente, o que garante que elas sejam mais flexíveis do que as demais soluções.

Vale reforçar que, apesar das taxas de contrato direto com a adquirente parecerem mais atrativas, se escolher essa opção, você deverá contratar um serviço de gateway e, se tiver um volume de vendas muito grande, será indispensável contar ainda com um conciliador de transações e um serviço de gestão de fraudes.

O que é um gateway e como ele funciona

O papel dos gateways é processar o pagamento no momento do checkout e facilitar a integração das lojas com os diversos meios de pagamento existentes no mercado, transmitindo os dados fornecidos pelos varejistas. A forma de comunicação da loja virtual com o gateway ocorre através de um webservice que é disponibilizado como API.

Quando a venda é realizada por meio de um gateway, o valor vai diretamente para a conta do lojista. A cobrança é realizada por número de transações.

O gateway possui alto custo de implementação pois exige a contratação de mais um serviço de antifraude e conciliador de recebíveis. Além do contrato com um ou mais adquirentes – dependendo da variedade de bandeiras que você pretende aceitar.

Com a utilização de um gateway, o lojista terá, em média, os seguintes custos:

  •        Gateway: R$ 0,36 a R$ 0,95 por transação
  •        Anti-fraude: R$ 0,65 a R$ 6,00 por transação
  •        Conciliação bancária: R$ 250,00 + R$ 0,15 por transação
  •        Adquirente: 0,36% a 6% por faturamento

No Brasil, os maiores gateways de pagamento são Braspag, MundiPagg, Adyen e MaxiPago!.

gateway-ou-intermediador-de-pagamento-cta

Entenda o que são e para que servem as bandeiras de cartão

Já falamos acima sobre as bandeiras de cartão de crédito. São elas que fazem a comunicação da transação entre o adquirente e o banco (emissor do cartão) e que processam todas as transações que utilizam seu cartão de crédito, analisando também o perfil de consumo e repassando essas informações para a instituição financeira.

É a bandeira do cartão de crédito que permite, através de um sistema integrado globalmente, que você utilize o mesmo cartão de crédito em qualquer lugar do mundo, desde que haja um meio de pagamento compatível com a sua bandeira.

As bandeiras mais presentes no mercado brasileiro são Visa e MasterCard, seguidas pela American Express, Diners, Hiper, Elo e Aura. Essas marcas conseguiram criar redes de processamento confiáveis e integradas, capazes de processar milhões de pagamentos por minuto – seja nos terminais online ou físicos. Isso permite que os custos sejam menores para o processo e as transações mais seguras e com suporte.

No que é preciso se atentar ao escolher uma bandeira de cartão de crédito para uso pessoal?

Sua amplitude de atuação é o principal ponto. Algumas bandeiras têm atuação apenas nacional, outras são mais usadas em determinados países. Depois, é preciso estudar as opções que o seu banco oferece, analisando as taxas de cada bandeira e as vantagens (como clube de pontos).

Saiba quais são os maiores emissores de cartão no Brasil

Os emissores de cartão são bancos ou instituições financeiras que fornecem os cartões para seus correntistas, ou não – já que, em alguns casos, é possível ter um cartão de crédito sem necessariamente ter uma conta vinculada ao banco em questão.

Ao receber os dados de uma compra, o banco faz a autorização, reservando o valor na conta do comprador final e realiza a cobrança pela transação. Uma vez aprovada, ele faz a liquidação com o adquirente.

Um estudo da consultoria britânica Lafferty Group, de 2010, mostrou que três bancos brasileiros estão entre os dez maiores emissores de cartão de crédito do mundo. São eles: Itaú, Bradesco e Banco do Brasil. Para além dessas opções, ainda temos no País a Caixa Econômica, Santander, Citibank, HSBC e empresas que chegaram recentemente ao mercado e aos poucos vão se destacando, como o Nubank.

O que é um subadquirente e como ele funciona

As empresas subadquirentes fazem a intermediação dos pagamentos entre todas as partes envolvidas, sendo responsáveis por transportar os dados da transação ao adquirente e liquidar os recebíveis junto aos lojistas. Os serviços costumam ter baixo custo de implementação e uma fácil integração.

adquirente ou subadquirente - subadquirentes

As subadquirentes são uma ótima opção pois possuem parcerias com os maiores adquirentes, o que garante uma variedade maior de opções de pagamento aos clientes. Elas também têm um serviço completo, englobando todas as etapas do processo de pagamentos, como gateway, antifraude próprio e chargeback.

Entenda melhor o que é chargeback e como revertê-lo no vídeo abaixo:

 

Um dos pontos que diferenciam as subadquirentes disponíveis no mercado é o fato de que em algumas, para finalizar o pagamento, o cliente é levado para fora do site da loja. Uma vez que o pagamento é realizado, ele é redirecionado para o e-commerce novamente e visualiza a mensagem de compra concluída e as instruções dos passos seguintes (como recebimento, ou não, de e-mail de confirmação e de acompanhamento dos passos de entrega).

O Moip foi a primeira subadquirente no Brasil a oferecer checkout transparente, uma ferramenta que permite o processamento do pagamento no site da própria loja, oferecendo ao comprador final uma sensação maior de segurança e credibilidade. Veja como funciona:

adquirente ou subadquirente - checkout transparente

O contrato com o Moip elimina a necessidade de ter diversos contratos e integrações com as adquirentes, gateway, gestão de risco e conciliação. Você terá todos esses serviços em apenas um contrato e uma única integração. Quer conhecer todas as vantagens de ter o Moip no seu e-commerce? Clique abaixo, conheça nossas soluções e marque um bate papo com nossa equipe.

Mas afinal, como escolher a melhor opção para sua loja?

Agora que você já sabe o papel de cada agente no processo de pagamento de um e-commerce, consegue distinguir as principais diferenças entres as opções, é preciso saber por onde começar a fazer suas escolhas.

Primeiro é preciso se atentar às necessidades da sua loja e à realidade do seu negócio. Se atentando também, àquelas que possibilitam o crescimento do seu e-commerce. É preciso fazer um comparativo para identificar quais opções melhor se encaixam na sua loja, observando taxas, prazos, condições e diferenciais.

Não importa o tamanho do seu ticket médio, oferecer todos os meios de pagamentos sempre é uma decisão assertiva no e-commerce pois isso garantirá uma alta taxa de conversão. Se o seu produto exige entrega no mesmo dia (ou até mesmo entrega imediata), provavelmente o pagamento via boleto não é uma boa opção.

Aumente seu faturamento com nossas dicas infalíveis



Agora, se você está começando e não pretende aceitar todos os meios de pagamento, é preciso considerar todas opções antes mesmo de escolher a plataforma. Isso porque é preciso levar em consideração quais as integrações já estão disponíveis e quais precisariam ser desenvolvidas (e o que você pode integrar no momento e o que precisará esperar).

Para os lojistas mais experientes, é mandatório pensar na conversão com todo o carinho possível. Nesses casos, se a loja contar com uma boa equipe de desenvolvimento, é possível investir em soluções personalizadas de um gateway de pagamentos.

Uma opção para quem trabalha com plataformas open source ou aplicativos é a integração via API a uma adquirente, visto a flexibilidade e possível redução dos custos com checkout.

A opção mais prática, eficiente e segura sempre será o intermediador de pagamentos. Ele oferecerá, por meio de um único contrato e integração toda estrutura que seu site precisa para o recebimento de pagamentos online. Isso inclui contratos com as adquirentes – assim você aceitará todos os meios de pagamentos – além de oferecer solução própria de gateway e gestão de fraudes e conciliação financeira.

adquirente ou subadquirente - vantagens do adquirente

Esperamos que agora fique mais fácil escolher as melhores opções de pagamento para o seu e-commerce!

O Moip é um intermediador de pagamentos completo, com taxas e soluções adaptáveis a qualquer negócio. Quer conhecer mais vantagens de ter o Moip no seu e-commerce? Clique abaixo, conheça nossas soluções e marque um bate papo com nossa equipe.
adquirente subadquirente - cta

 

AS INFORMAÇÕES DISPONÍVEIS NO BLOG SERVEM APENAS COMO CARÁTER INFORMATIVO. PARA REPRODUZIR QUALQUER CONTEÚDO DISPONÍVEL, NO TODO OU EM PARTE, DEVE-SE CITAR E LINKAR NOSSO SITE COMO REFERÊNCIA.

Comentários